Rádio Observador

Arquitetura

ETAR de Alcântara, Museu do Dinheiro, Terraços do Carmo e Capitólio vencem Prémio Valmor

217

Frederico Valsassina, Aires Mateus e João Ferreira Nunes (2013), Gonçalo Byrne e Falcão de Campos (2014), Álvaro Siza e Carlos Castanheira (2015) e Alberto Souza Oliveira (2016) com prémio principal.

Autor
  • Bruno Horta
Mais sobre

O anúncio público foi feito na segunda-feira à tarde em Lisboa, numa cerimónia e conferência de imprensa em que marcaram presença arquitetos e promotores imobiliários. Valmor 2013: Nova ETAR de Alcântara (dos arquitetos Frederico Valssassina, Aires Mateus e João Ferreira Nunes). Valmor 2014: alteração do Banco de Portugal — Museu do Dinheiro (de Gonçalo Byrne e João Pedro Falcão). Valmor 2015: terraços do Convento do Carmo (de Siza Vieira e Carlos Castanheira). Valmor 2016: alteração ao Cine-Teatro Capitólio (de Alberto Souza Oliveira).

A atribuição confere mérito aos autores que o recebem e é sinónimo de qualidade arquitetónica, ao mesmo tempo que reflete os diferentes momentos da história da arquitetura de Lisboa e visa incentivar promotores e arquitetos a contribuírem para a valorização da cidade”, destacou a vereadora da Cultura, Catarina Vaz Pinto, que discursou na cerimónia, nos Paços do Concelho.

O Prémio Valmor e Municipal de Arquitetura foi criado em 1902 (só no início da década de 1980 ganhou o adjetivo “municipal”). É atribuído pela Câmara com o objetivo “promover e estimular a arquitetura de excelência na cidade”.

Foram apreciadas 967 obras, de que resultaram quatro vencedores e nove menções honrosas – no total, seis obras novas e sete obras de reabilitação ou alteração de edificado já existente.

Discorrendo sobre os motivos por que o galardão referente a vários anos é anunciado e entregue em bloco, o presidente da Câmara disse haver boas razões para isso: é um “momento de confraternização” com arquitetos e, ao mesmo tempo, permite ver “muito mais do veríamos na atribuição de um prémio isolado”.

Vemos verdadeiramente uma cidade que se está a transformar. Lisboa afirma-se hoje como grande capital global”, disse Fernando Medina. “Estamos num processo de construção da modernidade. Esta capacidade de casar o histórico com os traços da modernidade tem sido um dos traços marcantes e de sucesso na evolução da cidade nos últimos anos.”

“É um prémio centenário, recebê-lo é uma honra e tem um valor histórico”, declarou ao Observador Siza Vieira, um dos galardoados presentes na cerimónia. Sobre o casamento entre história e modernidade, a que se referiu Medina, o arquiteto portuense comentou que Lisboa está “num momento de desenvolvimento em que se constrói bastante, e muita obra pública”. Boa obra pública? “Boa e menos boa, como em todas as cidades e em todos os tempos. As obras emblemáticas, as que aqui foram premiadas, e outras, são boas. O novo Museu dos Coches ou o museu de arte contemporânea à beira do Tejo [MAAT] são obras de grande qualidade”, classificou Siza.

O júri para o período 2013-2016 foi constituído por cinco homens: os arquitetos Sérgio de Melo, Francisco Berger, João Pardal Monteiro, Cândido Chuva Gomes e Jorge Catarino Tavares.

Desta vez, e no âmbito do que é descrito como uma renovação da parceria estratégica com a Câmara de Lisboa, a Trienal de Lisboa colaborou na organização do da iniciativa.

Também presente, Carlos Costa, governador do Banco de Portugal – entidade premiada através do Museu do Dinheiro –, anunciou que o Valmor “estimulou” o supervisor da banca a criar um prémio para obras de arquitetura de natureza social. “Para o efeito, publicaremos muito em breve os termos do concurso”, adiantou.

[a lista completa de premiados:]

Prémio 2013

ETAR de Alcântara – Obra de Ampliação e nova cobertura
Projecto de Arquitetura: Frederico Valsassina, Manuel Aires Mateus e João Ferreira Nunes (Proap)
Promotor: SimTejo

Menções Honrosas

Edifício de Serviços na Rua Laura Ayres 3 – Obra de construção
Projecto de Arquitetura: João Luís Carrilho da Graça
Promotor: Novasede – Actividades Imobiliárias, SA

Edifício de Habitação na Rua Teófilo Braga – Obra de Alteração
Projecto de Arquitetura/Promotor: José Mateus

Casa Severa – Obra de Alteração
Projecto de Arquitetura: José Adrião
Promotor: Câmara Municipal de Lisboa

Prémio 2014

Banco de Portugal, Museu do Dinheiro – Obra de Alteração
Projecto de Arquitetura: Gonçalo Byrne e João Pedro Falcão de Campos
Promotor: Banco de Portugal

Menções Honrosas

Edifício de habitação na Travessa do Patrocínio – Obra de Construção
Projecto de Arquitetura: Luis Andrade
Promotor: Sigma Pax Investimentos

Teatro Romano – Obra de recuperação e valorização
Projecto de Arquitetura: Daniela Ermano e João Carrasco
Promotor: Câmara Municipal de Lisboa

Prémio 2015

Terraços do Carmo – Obra de Alteração
Projecto de Arquitetura: Álvaro Siza e Carlos Castanheira
Promotor: Câmara Municipal de Lisboa

Menções Honrosas

Edifício de habitação no Restelo – Obra de Construção
Projecto de Arquitetura: Ana Mafalda Sequeira Batalha
Promotor: Terraquinta, Gestão e Administração de Património Imobiliário SA

Museu Nacional dos Coches – Obra de Construção
Projecto de Arquitetura: Paulo Mendes da Rocha, MMBB & Bak Gordon e João Ferreira Nunes
Promotor: Direção Geral do Património Cultural

Prémio 2016

Cineteatro Capitólio – Obra de alteração
Projecto de Arquitetura: Alberto Souza Oliveira
Promotor: Câmara Municipal de Lisboa

Menções Honrosas

Centro Comercial Caleidoscópio
Obra de Alteração de Equipamento de Serviços
Projecto de Arquitetura: Pedro Oliveira
Promotor: Universidade de Lisboa

MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia
Obra de Construção de equipamento cultural
Projecto de Arquitetura: Amanda Levete
Promotor: Fundação EDP

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)