Arquitetura

ETAR de Alcântara, Museu do Dinheiro, Terraços do Carmo e Capitólio vencem Prémio Valmor

217

Frederico Valsassina, Aires Mateus e João Ferreira Nunes (2013), Gonçalo Byrne e Falcão de Campos (2014), Álvaro Siza e Carlos Castanheira (2015) e Alberto Souza Oliveira (2016) com prémio principal.

Autor
  • Bruno Horta
Mais sobre

O anúncio público foi feito na segunda-feira à tarde em Lisboa, numa cerimónia e conferência de imprensa em que marcaram presença arquitetos e promotores imobiliários. Valmor 2013: Nova ETAR de Alcântara (dos arquitetos Frederico Valssassina, Aires Mateus e João Ferreira Nunes). Valmor 2014: alteração do Banco de Portugal — Museu do Dinheiro (de Gonçalo Byrne e João Pedro Falcão). Valmor 2015: terraços do Convento do Carmo (de Siza Vieira e Carlos Castanheira). Valmor 2016: alteração ao Cine-Teatro Capitólio (de Alberto Souza Oliveira).

A atribuição confere mérito aos autores que o recebem e é sinónimo de qualidade arquitetónica, ao mesmo tempo que reflete os diferentes momentos da história da arquitetura de Lisboa e visa incentivar promotores e arquitetos a contribuírem para a valorização da cidade”, destacou a vereadora da Cultura, Catarina Vaz Pinto, que discursou na cerimónia, nos Paços do Concelho.

O Prémio Valmor e Municipal de Arquitetura foi criado em 1902 (só no início da década de 1980 ganhou o adjetivo “municipal”). É atribuído pela Câmara com o objetivo “promover e estimular a arquitetura de excelência na cidade”.

Foram apreciadas 967 obras, de que resultaram quatro vencedores e nove menções honrosas – no total, seis obras novas e sete obras de reabilitação ou alteração de edificado já existente.

Discorrendo sobre os motivos por que o galardão referente a vários anos é anunciado e entregue em bloco, o presidente da Câmara disse haver boas razões para isso: é um “momento de confraternização” com arquitetos e, ao mesmo tempo, permite ver “muito mais do veríamos na atribuição de um prémio isolado”.

Vemos verdadeiramente uma cidade que se está a transformar. Lisboa afirma-se hoje como grande capital global”, disse Fernando Medina. “Estamos num processo de construção da modernidade. Esta capacidade de casar o histórico com os traços da modernidade tem sido um dos traços marcantes e de sucesso na evolução da cidade nos últimos anos.”

“É um prémio centenário, recebê-lo é uma honra e tem um valor histórico”, declarou ao Observador Siza Vieira, um dos galardoados presentes na cerimónia. Sobre o casamento entre história e modernidade, a que se referiu Medina, o arquiteto portuense comentou que Lisboa está “num momento de desenvolvimento em que se constrói bastante, e muita obra pública”. Boa obra pública? “Boa e menos boa, como em todas as cidades e em todos os tempos. As obras emblemáticas, as que aqui foram premiadas, e outras, são boas. O novo Museu dos Coches ou o museu de arte contemporânea à beira do Tejo [MAAT] são obras de grande qualidade”, classificou Siza.

O júri para o período 2013-2016 foi constituído por cinco homens: os arquitetos Sérgio de Melo, Francisco Berger, João Pardal Monteiro, Cândido Chuva Gomes e Jorge Catarino Tavares.

Desta vez, e no âmbito do que é descrito como uma renovação da parceria estratégica com a Câmara de Lisboa, a Trienal de Lisboa colaborou na organização do da iniciativa.

Também presente, Carlos Costa, governador do Banco de Portugal – entidade premiada através do Museu do Dinheiro –, anunciou que o Valmor “estimulou” o supervisor da banca a criar um prémio para obras de arquitetura de natureza social. “Para o efeito, publicaremos muito em breve os termos do concurso”, adiantou.

[a lista completa de premiados:]

Prémio 2013

ETAR de Alcântara – Obra de Ampliação e nova cobertura
Projecto de Arquitetura: Frederico Valsassina, Manuel Aires Mateus e João Ferreira Nunes (Proap)
Promotor: SimTejo

Menções Honrosas

Edifício de Serviços na Rua Laura Ayres 3 – Obra de construção
Projecto de Arquitetura: João Luís Carrilho da Graça
Promotor: Novasede – Actividades Imobiliárias, SA

Edifício de Habitação na Rua Teófilo Braga – Obra de Alteração
Projecto de Arquitetura/Promotor: José Mateus

Casa Severa – Obra de Alteração
Projecto de Arquitetura: José Adrião
Promotor: Câmara Municipal de Lisboa

Prémio 2014

Banco de Portugal, Museu do Dinheiro – Obra de Alteração
Projecto de Arquitetura: Gonçalo Byrne e João Pedro Falcão de Campos
Promotor: Banco de Portugal

Menções Honrosas

Edifício de habitação na Travessa do Patrocínio – Obra de Construção
Projecto de Arquitetura: Luis Andrade
Promotor: Sigma Pax Investimentos

Teatro Romano – Obra de recuperação e valorização
Projecto de Arquitetura: Daniela Ermano e João Carrasco
Promotor: Câmara Municipal de Lisboa

Prémio 2015

Terraços do Carmo – Obra de Alteração
Projecto de Arquitetura: Álvaro Siza e Carlos Castanheira
Promotor: Câmara Municipal de Lisboa

Menções Honrosas

Edifício de habitação no Restelo – Obra de Construção
Projecto de Arquitetura: Ana Mafalda Sequeira Batalha
Promotor: Terraquinta, Gestão e Administração de Património Imobiliário SA

Museu Nacional dos Coches – Obra de Construção
Projecto de Arquitetura: Paulo Mendes da Rocha, MMBB & Bak Gordon e João Ferreira Nunes
Promotor: Direção Geral do Património Cultural

Prémio 2016

Cineteatro Capitólio – Obra de alteração
Projecto de Arquitetura: Alberto Souza Oliveira
Promotor: Câmara Municipal de Lisboa

Menções Honrosas

Centro Comercial Caleidoscópio
Obra de Alteração de Equipamento de Serviços
Projecto de Arquitetura: Pedro Oliveira
Promotor: Universidade de Lisboa

MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia
Obra de Construção de equipamento cultural
Projecto de Arquitetura: Amanda Levete
Promotor: Fundação EDP

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Paris

A morte das catedrais

António Pedro Barreiro

A separação forçada entre a beleza e a Fé é lesiva para ambas as partes. O incêndio em Notre-Dame recorda-nos isso. Recorda-nos que as catedrais não são montes de pedras.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)