O postal de Natal oficial de Donald Trump, o primeiro desde que é presidente dos EUA, foi revelado na semana passada. Nele, Trump surge ao lado da mulher, Melania. O casal está de mãos dadas e é ladeado por bandeiras norte-americanas e árvores de Natal. Ambos estão vestidos de preto e esboçam um sorriso na direção da câmara.

A fotografia que foi rapidamente alvo de críticas nas redes sociais — os utilizadores do Twitter deram especial enfoque à ausência de Barron Trump, o único filho do casal — pode dizer muito sobre o presidente dos Estados Unidos, bem como da primeira-dama, tendo em conta a postura adotada.

Um especialista em linguagem corporal contou ao britânico Express que nesta fotografia o casal apresenta uma postura tão formal que é difícil retirar pistas sobre a vida íntima de ambos. Em causa está uma imagem que se limita a retratar as capacidades profissionais do casal.

“Esta pose não tenta comprar o nosso amor, afeto ou pena”, diz Judi James, que ressalva que a fotografia não deixa transparecer o lado mais humano de quem governa o país — os políticos costumam usar o Natal como uma oportunidade publicitária para se mostrarem ao mundo enquanto homens de família.

Importante, e marcadamente diferente do que é habitual, é o facto de a pose mostrar que os dois membros do casal fazem parte de uma mesma equipa, isto é, há uma distribuição equilibrada de poder, que contraria as muitas vezes em que Melania parece ser deixada para trás, votada a uma postura de subjugação.

“A mão dele está por cima, sugerindo que está a liderar, mas ambos têm dos dedos entrelaçados, sugerindo mutualidade”, descreve o especialista. Curiosamente, as mão dadas contrariam uma postura que o casal tem tido em público — na primeira visita de Estado de Donald Trump e a mulher fora dos EUA, Melania negou dar a mão ao marido em duas ocasiões distintas.

De destacar ainda que o casal opta por não mostrar qualquer tipo de afeto no postal de Natal, o que até faz sentido, uma vez que o atual presidente dos EUA não é de fazer grandes demonstrações públicas de carinho.