Rádio Observador

Exploração Espacial

O que falta às plantas no espaço: oxigénio ou bons jardineiros?

Um punhado de sementes foi enviado este domingo para a Estação Espacial Internacional: a ideia é comparar o crescimento em ausência de gravidade com o crescimento na Terra durante o mesmo período.

Entrega de mais de duas toneladas de experiências e mantimentos para a tripulação da Estação Espacial Internacional no passado domingo

NASA

Centenas de sementes chegaram, este domingo, à Estação Espacial Internacional (EEI). O objetivo é perceber como é que as plantas respondem a ambientes com pouco oxigénio, conforme divulgou a Universidade de Wisconsin–Madison (Estados Unidos).

Não se pode dizer que o oxigénio falte na EEI — ou os próprios astronautas teriam dificuldade em respirar —, mas a água e o ar têm um comportamento diferente quando estão em gravidade zero. A água não flui, fica agarrada às superfícies, logo fica agarrada à planta e às raízes criando um ambiente pobre em oxigénio.

O astronauta canadiano Chris Hadfield tem uma boa demonstração do que acontece com a água no espaço.

A experiência vai decorrer ao longo de um mês na EEI e ao mesmo tempo na Terra para que os investigadores consigam perceber se alguma coisa afeta o crescimento das plantas e, em caso afirmativo, o quê. Pode dar-se o caso de sermos apenas maus jardineiros espaciais.

As plantas crescem bem o suficiente para, por exemplo, se desenvolverem durante todo o ciclo de vida. A questão é: quão bem as plantas crescem”, disse, em comunicado, Simon Gilroy, coordenador deste trabalho e professor de Botânica na Universidade de Wisconsin–Madison. “Ainda estamos na fase de perceber se as questões no espaço são intrínsecas à biologia ou se ainda não somos jardineiros espaciais realmente bons.”

Esta é a quarta experiência com sementes de Arabidopsis que a Universidade de Wisconsin–Madison envia para o espaço, mas desta vez as plantas vão poder crescer com luz, em vez de crescerem no escuro, para que tenham um ambiente tão semelhante ao real quanto possível.

Durante a experiência, os astronautas vão tirar fotografias ao crescimento das plantas usando microscópios. Quando a experiência acabar, os astronautas vão aplicar uma mistura fixante e congelar as plantas para que possam ser enviadas para a Terra tal e qual estavam quando a experiência chegou ao fim.

De volta à Terra, os investigadores vão comparar a expressão dos genes e analisar marcadores de stress nas plantas criadas com e sem gravidade. A equipa de Simon Gilroy espera conseguir perceber se as potenciais anomalias detetadas se devem à falta de oxigénio terrestre ou a outro fator de stress relacionado com o crescimento no espaço.

Este domingo, três novos tripulantes viajaram até à Estação Espacial Internacional — Scott Tingle, da NASA (agência espacial norte-americana), Anton Shkaplerov, da Roscosmos (agência espacial russa) e Norishige Kanai, da Agência de Exploração Aeroespacial Japonesa. Juntamente com os três tripulantes que já se entravam na EEI — Alexander Misurkin, da Roscosmos, Mark Vande Hei e Joe Acaba, ambos da NASA — vão ser responsáveis por 250 experiências em áreas tão diversas como biologia, ciências da Terra, física, tecnologia e fisiologia humana.

De todas as experiências a bordo, NASA destaca: a demonstração dos benefícios de fabricar filamentos de fibra ótica em microgravidade e a análise de um fármaco e a sua forma de administração para combater a falência muscular no espaço ou nas pessoas acamadas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)