A Renault acaba de avançar com a decisão de adquirir 40% do grupo editorial francês Challenges, de forma a assegurar conteúdos editoriais para os seus automóveis conectados e autónomos do futuro.

Proprietária das revistas Challenges, Sciences et Avenir, La Recherche, Historia et Histoire, a editora Challenges é vista pelo Grupo Renault como o parceiro ideal para criar um “laboratório para tentar inovações”, assim como para desenvolver novos conteúdos editoriais e tecnologias relevantes, para futura aplicação nos veículos autónomos.

A marca do losango realça que os europeus passam, em média, duas horas por dia dentro de um automóvel. Sendo que, com o desenvolvimento dos automóveis equipados com tecnologias de condução autónoma e conectados, os utilizadores vão dispor de mais tempo para outras atividades, enquanto estiverem a bordo. Necessidade a que a Renault a pretende responder, oferecendo, em conjunto com o editora Challenges, informação e conteúdos totalmente dedicados ao conhecimento.

Com o investimento do Grupo Renault, a Challenges deverá ainda apostar no desenvolvimento de novas ferramentas, em particular, no domínio digital.

Este projeto está completamente alinhado com a estratégia do Grupo Renault, que deseja disponibilizar novos serviços conectados de grande qualidade e melhorar a experiência dos nossos clientes”, defende o presidente e CEO da Renault, Carlos Ghosn.

Já Claude Perdriel, que continua a ser o accionista maioritário da Challenges e o seu CEO, assegura que a entrada da Renault é perfeitamente enquadrável na estratégia do grupo editorial, que passa por “desenvolver novas atividades, não somente na imprensa, mas também no digital e no sector dos eventos”.