Rádio Observador

União Europeia

Comissão Europeia acciona “bomba atómica” contra a Polónia

703

Comissão considera que Varsóvia ignorou os vários alertas de Bruxelas e vai iniciar processo de discussão que poderia levar a suspensão dos direitos de voto do país.

Prezes Rady Ministrów, primeiro-ministro da Polónia

Autores
  • Pedro Raínho
  • Agência Lusa

A Comissão Europeia vai acionar o artigo 7º do Tratado da União Europeia (TUE), que abre caminho a uma discussão sobre o afastamento temporário da Polónia da intervenção nos destinos do projeto europeu. Bruxelas considera que o reordenamento do sistema jurídico no país e que motivou uma série de avisos das autoridades europeias a Varsóvia nos últimos dois anos viola os princípios fundamentais da UE. O anúncio do recurso à chamada “bomba atómica” foi feito no Twitter, e já tinha sido confirmado ao Observador por fonte da Comissão Europeia.

Os comissários debateram esta quarta-feira de manhã o tema “Polónia” e o consenso estava assegurado: a Polónia foi longe demais nas alterações que tem introduzido ao seu sistema jurídico — o último dos passos aconteceu na semana passada, com o reforço de poderes que o Governo tem para agir sobre o Supremo Tribunal da Polónia e sobre o órgão que gere a nomeação de juízes, o Conselho Nacional de Justiça.

O artigo 2º do Tratato da União Europeia refere que a União se funda “nos valores do respeito pela dignidade humana, da liberdade, da democracia, da igualdade, do Estado de direito e do respeito pelos direitos do Homem, incluindo os direitos das pessoas pertencentes a minorias”. E acrecenta que “estes valores são comuns aos Estados-membros, numa sociedade caracterizada pelo pluralismo, a não discriminação, a tolerância, a justiça, a solidariedade e a igualdade entre homens e mulheres.”

A Comissão Europeia já tornou pública a decisão de acionar o artigo 7º do TUE, o que possibilita que os Estados-membros verifiquem “a existência de um risco manifesto de violação grave dos valores referidos no artigo 2º por parte de um Estado-Membro”. O primeiro ponto desse artigo ainda prevê que, “antes de proceder a essa constatação, o Conselho deve ouvir o Estado-membro em questão”, podendo “dirigir-lhe recomendações, deliberando segundo o mesmo processo”.

Esses passos já foram esgotados. Por exemplo, através das três cartas enviadas pela Comissão para Varsóvia ao longo dos últimos três anos, procurando sensibilizar o Governo polaco para a necessidade de separar claramente o poder executivo do judicial. Neste momento, a posição da Comissão Europeia é a de que são precisas ações mais concretas. É isso que resulta do recurso à “bomba atómica”.

Retirar à Polónia o direito de voto no plano europeu seria a medida mais dura a aplicar. Mas as consequências práticas são difíceis — para não dizer impossíveis — de alcançar. Para já, caberá aos ministros dos Negócios Estrangeiros pronunciarem-se sobre as alterações introduzidas na justiça polaca. Só num segundo momento os chefes de Estado e de Governo serão chamados a tomar uma posição a este respeito.

As dificuldades chegam depois, quando chegar o momento de votar eventuais sanções a aplicar ao país. “É preciso uma coisa monstruosa para teres 4/5 dos 28 países a dizer que Polónia está a abusar”, diz ao Observador fonte da Comissão Europeia. “É uma espécie de jogo de cadeiras“, em que cada país avalia a posição a tomar em função de eventuais críticas que lhe possam ser feitas no futuro. “Cada Estado-membro vai tentar ficar de fora, sacudir água do capote”, ainda que haja sintonia nas críticas quanto ao caminho que a Polónia tem seguido — e que já levaram o Presidente da República, Andrzej Duda, a enviar o diploma das alterações legislativas de volta ao Parlamento. O veto não impediu, mesmo assim, a concretização dos planos por parte do Governo.

Mas, mesmo que não resulte na aplicação de sanções, acionar o artigo 7º tem duas consequências: por um lado, fragiliza a Polónia na negociação do próximo quadro de fundos estruturais, para depois de 2020; por outro lado, lança um sinal a outros Estados-membros para que se mantenham dentro dos limites estabelecidos pelo Tratado da União Europeia — uma mensagem política que pode ser dirigida, por exemplo, à Áustria, país onde a extrema-direita integra o Governo do conservador Sebastian Kurz, recém eleito.

Polónia lamenta “decisão política” da União Europeia

O Governo polaco “lamentou”, em comunicado, a decisão “política e não jurídica” da Comissão Europeia de iniciar um processo inédito ao país devido às suas controversas reformas judiciais, que o ministro da Justiça diz pretender aplicar.

Esta decisão “vai afetar inutilmente as nossas relações, e arrisca-se a tornar difícil a construção da compreensão e confiança mútuas entre Varsóvia e Bruxelas”, refere o comunicado do ministério dos Negócios Estrangeiros publicado pouco após o anúncio da ativação do artigo 7º do tratado da UE, um procedimento que pode ir até à interdição dos direitos de voto do país na União.

Também numa primeira reação, o ministro da Justiça da Polónia referiu que pretende prosseguir a renovação do sistema de justiça, apesar das ameaças de sanções emitidas pelos líderes da UE. Zbigniew Ziobro, um dos responsáveis pela controversa reorganização do sistema de justiça e cujos poderes serão reforçados através desta reforma, disse ter recebido com “calma” a decisão das instâncias dirigentes de Bruxelas.

O ministro acentuou que a Polónia necessita de prosseguir com estas medidas, e que o país “apenas será um membro significativo da UE quando possuir um sistema de justiça funcional”. Ziobro insistiu ainda que as alterações introduzidas foram retiradas dos sistemas de justiça dos Estados-membros ocidentais da União Europeia.

Os conservadores do partido Lei e Justiça (PiS), no poder na Polónia, realizaram uma reforma controversa do Supremo Tribunal, que, segundo a oposição, é um “golpe de Estado” e uma redução da independência da justiça.

Ao atribuir ao Governo polaco uma forte influência sobre o Supremo Tribunal, nomeadamente no processo de seleção das equipas de magistrados, a Câmara Baixa do parlamento polaco decidiu ignorar os avisos da Comissão Europeia que pediu a Varsóvia para suspender a reforma do sistema judicial e aprovou a nova lei judicial, com 235 votos a favor, 192 contra e 23 abstenções.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)