Estados Unidos da América

Morreu cardeal Bernard Law, figura central em escândalo de pedofilia na igreja nos EUA

O cardeal, antigo arcebispo de Boston que foi acusado de encobrir casos de abusos sexuais de menores envolvendo o clero, morreu esta terça-feira aos 86 anos.

CJ GUNTHER/EPA

O cardeal Bernard Law, antigo arcebispo de Boston que foi acusado de encobrir casos de abusos sexuais de menores envolvendo o clero, desencadeando a pior crise do catolicismo nos EUA, morreu esta terça-feira. Tinha 86 anos.

A notícia da morte foi avançada por uma fonte do clero que falou sob anonimato à agência de notícias norte-americana Associated Press (AP), sendo de esperar, mais tarde, um anúncio oficial por parte do Vaticano.

Bernard Law, que tinha estado doente e sido recentemente hospitalizado em Roma, chegou a ser um dos mais importantes líderes da Igreja Católica nos Estados Unidos.

Em janeiro de 2002, o jornal The Boston Globe revelou, com base em registos da Igreja, que Law tinha encoberto casos de abuso sexual envolvendo padres ao transferi-los para outras paróquias, sem alertar famílias ou autoridades. A investigação do jornal norte-americano, e posterior denúncia do caso, foi recontada no filme “Spotlight”, que em 2016 venceu o Óscar de Melhor Filme.

O primeiro caso de que houve conhecimento foi o do padre John Geoghan, pelo qual mais de 130 pessoas revelaram ter sido sexualmente abusadas. Rebentado o escândalo, Law tentou gerir a situação: primeiro com silêncio e posteriormente prometendo reforma. Contudo, registos que davam conta de mais vítimas e de mais casos escondidos e encobertos pelo antigo arcebispo de Boston continuavam a aparecer. Por todo o país, católicos queriam saber se os seus bispos tinham feito o mesmo.

A arquidiocese tentou resolver a situação ao pagar 10 milhões de dólares em indemnizações, mas a pressão e descontentamento social obrigaram Law a pedir a demissão ao Vaticano, que lhe foi concedida. Aquando da saída, em dezembro de 2002, Bernard Law pediu “desculpa” e “perdão” a “todos aqueles que sofreram por culpa dos [seus] erros”. “Por favor, mantenham-me nas vossas preces”, disse.

Apesar do abandono da arquidiocese de Boston, a ligação de Law à Igreja Católica não ficou por aí. Em 2004, o Vaticano nomeou-o arcipreste da Basílica de Santa Maria Maior, uma das quatro principais de Roma, e, no ano seguinte, quando morreu João Paulo II, participou na missa em memória do Papa e no conclave que elegeu o seu sucessor, Bento XVI.

Ao longo dos anos que se seguiram, Bernard Law continuou a participar em dicastérios e comités — como a Congregação dos Bispos, órgão cujas funções incluem, entre outras, a de nomear bispos para dioceses norte-americanas.

Em 2011, o antigo arcebispo encontrava-se a viver em Roma, já reformado. Law mantinha ainda os títulos de “arcipreste emérito” da Basílica de Santa Maria Maior e “arcebispo emérito” da Igreja de Boston. Bernard Law morreu sem alguma vez ter sido acusado de algo ou condenado.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)