Filipinas

Naufrágio ao largo da costa filipina faz quatro mortos

O acidente aconteceu ao largo de Real, uma cidade na província de Quezon. O "ferry", com destino à ilha de Polillo, transportava 251 pessoas, 11 das quais continuam desaparecidas.

Os acidentes com este tipo de embarcações são comuns nas Filipinas, principalmente na época dos tufões

RITCHIE B. TONGO/EPA

Um ferry naufragou esta quinta-feira ao largo da costa nordeste das Filipinas provocando a morte, de pelo menos, quatro pessoas, anunciou a guarda costeira filipina. A Guarda Costeira já resgatou, com a ajuda de pescadores, 240 passageiros que seguiam na embarcação, de acordo com o The New York Time, numa zona onde ainda se faz sentir uma forte ondulação. Há 11 pessoas desaparecidas.

O acidente ocorreu ao largo de Real, uma cidade na província de Quezon, na ilha de Luzon, a 70 quilómetros a leste de Manila, indicou Armand Balilo, porta-voz da guarda costeira filipina, em conferência de imprensa. A embarcação fazia a ligação entre a cidade de Infanta e a ilha remota de Polillo, no norte das Filipinas, sob mau tempo, que só terá começado cerca de duas horas depois de o ferry ter partido de Real. Um dos sobreviventes, Donel Jade Mendiola, contou à rádio DZMM que começou a entrar água no interior da embarcação. “Os passageiros passaram todos para um lado e o ferry começou a afundar”, relatou Mendiola.

A operação de resgate foi lançada pouco tempo depois. A maioria dos passageiros do Mercraft 3 está a ser transportada para a aldeia de Dinahican, em Infanta, para onde as autoridades de Quezon estão a levar roupa, comida, água e medicamentos, disse à Associated Press Juanito Diaz, responsável pelo organismo de resposta de emergência.

A zona sul do arquipélago filipino está a ser afetada pela tempestade tropical Tembin, que deverá atingir as Filipinas com toda a força nesta sexta-feira. Contudo, na altura da partida, não havia nenhum aviso de tempestade para Real ou Polillo.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)