PSD

Passos, Rio e Santana juntos nas conclusões do livro “Portugal Não Pode Esperar”

O movimento "Portugal Não Pode Esperar" vai apresentar em janeiro as conclusões do seu livro, sessão que contará com a presença do presidente do PSD e dos dois candidatos à liderança do partido.

HUGO DELGADO/LUSA

O movimento social-democrata “Portugal Não Pode Esperar” vai apresentar em janeiro as conclusões do seu primeiro livro, sessão que será encerrada pelo presidente do PSD e que contará com a presença dos dois candidatos à liderança do partido.

De acordo com um comunicado, o livro “Portugal Não Pode Esperar — Tomo I” será apresentado no dia 4 de janeiro, pelas 18h00, no Centro Cultural de Belém e contará com intervenções do líder do Movimento, Pedro Rodrigues, e do coordenador da obra, João Marques Gomes.

A sessão será encerrada pelo presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, e contará com a presença dos candidatos à liderança do PSD, Rui Rio e Pedro Santana Lopes, que disputam as eleições diretas de 13 de janeiro.

Em declarações à Lusa, Pedro Rodrigues afirmou que o livro faz “um enquadramento dos desafios que Portugal enfrentará nos próximos 30 anos” centrados em quatro áreas: Portugal no mundo, bem-estar, cidadania e competitividade.

“Este livro faz o enquadramento global, as grandes tendências de evolução e identifica os principais desafios de Portugal em cada uma destas áreas. É uma espécie de visão de helicóptero do país”, explicou.

A obra, cujos trabalhos preparatórios arrancaram há oito meses, vai chegar fisicamente às livrarias mais perto do Congresso do PSD, que se realiza entre 16 e 18 de fevereiro, e será também apresentada na reunião magna do partido.

“Depois, começará um segundo ciclo: já com o enquadramento feito, faremos uma visão mais microscópica sobre cada uma das áreas, nas quais procuraremos apresentar medidas concretas até às legislativas de 2019”, afirmou o líder do movimento.

A ideia, acrescentou, é colocar todo este trabalho ao dispor do próximo líder do partido, seja ele quem for.

Apesar de Pedro Rodrigues ser, a título pessoal, apoiante de Rui Rio, o movimento “Portugal Não Pode Esperar” não se envolveu na disputa interna, daí o convite aos dois candidatos.

“Um dos candidatos será o futuro líder do PSD e, espero, primeiro-ministro. Quisemos que conheçam as primeiras conclusões do livro e a presença de ambos simboliza, dos dois lados, a disponibilidade enorme para abrir o partido à sociedade civil”, afirmou Pedro Rodrigues.

Já o convite ao ainda presidente do partido “era óbvio” e foi feito e aceite há cerca de um ano e não se torna menos relevante por Passos Coelho estar de saída.

“É um sinal de que valoriza iniciativas que estimulam a discussão interna”, destacou Pedro Rodrigues, dizendo-se “muito honrado” com a disponibilidade do presidente do partido para marcar presença.

São coautores do livro empresários, advogados, empreendedores e inovadores sociais, estudantes, funcionários públicos, entre militantes e independentes que pretendem uma alternativa ao atual “Governo de esquerda radical”.

“Esta iniciativa demonstra que os setores mais dinâmicos da sociedade portuguesa, profissionais liberais, quadros de empresas e da administração pública, inovadores sociais e empresariais, não se conformam com o país adiado que Portugal continua a ser, e mostraram disponibilidade para contribuírem para o inicio da construção de uma agenda de futuro para Portugal”, refere.

No mesmo dia da apresentação das conclusões do livro deverá realizar-se o primeiro debate televisivo entre Rui Rio e Pedro Santana Lopes, na RTP.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Operação Marquês

Porque é que só há uma Ana Gomes?

Rui Ramos
171

A sociedade portuguesa gera rotação no poder quando o dinheiro acaba, como vimos em 2002 ou em 2011. Mas já não gera alternativas, como constatámos em 2015 com o regresso dos colegas de Sócrates.

Rui Rio

Políticos à beira mar plantados

António Valle

Costa quer surgir, aos olhos dos portugueses, como o grande agregador moderado da política nacional. Rio quer parecer, aos olhos de Costa, o seu novo pequeno parceiro que apenas quer uns lugarzinhos.

PSD

O vice-primeiro-ministro Rui Rio

Luís Rosa
378

Rui Rio é mesmo o vice-primeiro-ministro ideal. É útil, diligente, prático e discreto. Em suma, Rio tem um valor político objetivamente superior a qualquer ministro e faz brilhar António Costa.

Assembleia Da República

Teoria geral do inconseguimento

Laurinda Alves
105

Todos sabemos que uma coisa é a lei e outra a ética. A cegueira moral pode ser legislada, mas a ética tudo vê e tudo sabe. A lei permite, mas a consciência não. Essa é a voz que nunca se cala.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site