Rádio Observador

Arquitetura

Nuno Brandão Costa e Sérgio Mah representam Portugal na Bienal de Arquitetura em Veneza

117

O arquiteto Nuno Brandão Costa e o académico Sérgio Mah obtiveram a melhor classificação entre as sete equipas que a DGArtes convidou para apresentar um projeto de representação oficial na bienal.

© Rui Manuel Ferreira / Global Imagens

Autor
  • Agência Lusa

O projeto de Nuno Brandão Costa e Sérgio Mah vai representar Portugal na Bienal Internacional de Arquitetura, em maio em Veneza, revelou esta sexta-feira à Lusa a Direção-Geral das Artes (DGArtes).

O arquiteto Nuno Brandão Costa e o académico Sérgio Mah obtiveram a melhor classificação entre as sete equipas que a DGArtes convidou para apresentar um projeto de representação oficial naquela bienal, tendo como limite um orçamento de cerca de 200 mil euros.

A 16.ª Bienal de Arquitetura de Veneza decorrerá de 26 de maio a 25 de novembro de 2018, com curadoria de Yvonne Farrell e Shelley McNamara, subordinada à temática “Freespace”.

Fonte da DGArtes explicou à agência Lusa que em janeiro será desvendada a proposta vencedora, assim como a curadoria associada. A representação de Portugal ficará exposta na Villa Hériot, na ilha da Giudecca, Veneza.

Nuno Brandão Costa nasceu no Porto em 1970 e licenciou-se na Faculdade de Arquitetura da universidade daquela cidade (FAUP) em 1994, onde dá aulas desde 2001 e onde se doutorou em 2013, segundo a biografia existente na página da FAUP.

O arquiteto fez parte das representações portuguesas na 8.ª Bienal de Veneza, em 2004, na Bienal de Arquitetura de São Paulo, em 2005, e na Trienal de Arquitetura de Milão em 2004 e 2014.

Multipremiado ao longo da carreira, com galardões como o Secil (2008) e o Vale da Gândara (2011), foi recentemente escolhido para projetar o futuro Terminal Intermodal de Campanhã, no Porto.

Sérgio Mah nasceu no mesmo ano de Nuno Brandão Costa, é licenciado em Sociologia e mestre em Ciências da Comunicação, sendo professor de Fotografia e Arte Contemporânea na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa e na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

Segundo a biografia existente na página do Curso de Estudos Avançados em Projeto de Arquitetura da FAUP, Mah foi o comissário-geral das edições de 2003 e 2005 da LisboaPhoto, e diretor artístico da PhotoEspaña entre 2008 e 2010. Adicionalmente, foi o comissário da Representação Oficial Portuguesa à 54.ª Bienal de Arte de Veneza.

Para a escolha da representação oficial de Portugal, a DGArtes tinha convidado sete equipas a apresentar projetos: Ana Jara e Lucinda Correia, André Tavares e Marta Labastida, João Belo Rodeia e Ricardo Carvalho, João Mendes Ribeiro, Désirée Pedro e Carlos Antunes, Jorge Figueira e Carlos Machado e Moura, Maria Manuel Oliveira e Álvaro Domingues e Nuno Brandão Costa e Sérgio Mah.

A próxima bienal apresentará “exemplos, propostas, elementos de trabalho – construídos ou não – que exemplifiquem qualidades essenciais da arquitetura, como a modulação, riqueza e materialidade da superfície, a orquestração e sequência do movimento, revelando o poder e a beleza da arquitetura”, lê-se na página oficial da exposição internacional.

Na Bienal de Arquitetura de 2016, Portugal esteve representado pelo arquiteto Álvaro Siza, com projetos de habitação social feitos em quatro bairros europeus, um dos quais precisamente em Veneza.

A comissão da DGArtes que escolheu o projeto vencedor integrou Nuno Moura, Helena Pires, José Manuel Pedreirinho Inês Lobo, Nuno Grande, Roberto Cremascoli e Sofia Baptista.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)