Pedro Sánchez, líder do PSOE, desafiou esta sexta-feira Mariano Rajoy a encontrar uma “solução política” para a Catalunha, depois de os resultados eleitorais terem confirmado a maioria do bloco independentista no parlamento catalão. O socialista acredita que as eleições de quinta-feira são o reflexo da inação do primeiro-ministro espanhol ao longo dos anos, que terá agora a responsabilidade de liderar o processo negocial.

“O PSOE ofereceu uma rota alternativa ao independentismo. Chegou a hora de Rajoy explicar a sua proposta para decidirmos se o apoiamos”, afirmou o socialista, comentando ainda a fraca prestação do PP — partido de Mariano Rajoy — nestas eleições: “Um partido de grande expressão nacional não pode ser uma anomalia na Catalunha. Foram muitos anos a olhar para o lado”, insistiu Pedro Sánchez.

Apesar de Mariano Rajoy ter fechado as portas a qualquer tipo de diálogo com as forças que defendem a independência da Catalunha, o socialista já veio alertar para o perigo que a instabilidade na região representa para a paz social da Catalunha e para a “recuperação económica” de Espanha.

Perante a irrelevância a que foi votado o PP na Catalunha e perante a indisponibilidade que Rajoy já revelou para falar com o bloco independentista, Sánchez defendeu que só o PSOE, enquanto partido de “referência à esquerda”, será capaz unir a Espanha e de governar o país. “O independentismo só vai ser derrotado por um projeto de reconciliação nacional”, defendeu o socialista.

Entretanto, Mariano Rajoy já afastou qualquer cenário que envolva eleições antecipadas. Enquanto não se vislumbra uma solução política para a Catalunha, Pedro Sánchez deixou uma aviso às forças que lutam pela independência: não tentem declarar novamente a independência de forma unilateral, até porque perderam as eleições. “Não podem continuar governar para 47% da população”, rematou o socialista.