Rádio Observador

Angola

UNITA quer que 2018 seja ano da despartidarização do Estado e da reconciliação nacional

"Façamos de 2018, o ano da despartidarização do Estado e da reconciliação nacional", exortou Isaías Samakuva, que vai continuar à frente dos destinos do partido até 2019.

JOOST DE RAEYMAEKER/LUSA

O líder da UNITA, maior partido da oposição angolana, manifestou esta sexta-feira disponibilidade desta formação para uma concertação direta com o MPLA, força política no poder em Angola, e o Estado, para a concretização da reconciliação nacional.

Isaías Samakuva, que discursava na cerimónia de cumprimentos de fim de ano, considerou o atual momento político de Angola uma “oportunidade para os angolanos encontrarem novos caminhos e abordagens para a concretização da reconciliação nacional”.

Para o presidente da UNITA, os princípios orientadores do diálogo poderão incluir o reconhecimento de que são todos culpados, responsáveis e vítimas do passado, que uma guerra civil não tem vencidos nem vencedores e que a história política de Angola deve ser escrita no espírito da reconciliação nacional e da construção da nação.

Na sua proposta, Isaías Samakuva apresenta como pontos a incluir na agenda deste “amplo e decisivo diálogo nacional”, a afirmação da vontade política do Estado para encerrar a era da partidarização do Estado, o fim do período da utilização dos cargos públicos para enriquecimento ilícito, a abordagem da “questão mal resolvida da desmobilização dos ex-militares, antigos combatentes e veteranos da pátria, entre outras questões.

Pela complexidade que a reconciliação nacional encerra em Angola, o modelo a seguir e os conteúdos devem revisitar as fórmulas ancestrais, as experiências contemporâneas de vários países que experimentaram o fratricídio e contextualizá-las de forma a criar-se espaço político, económico, social e cultural, onde seja possível viver a verdade, o perdão, a justiça, o reconhecimento e a aceitação recíproca”, referiu.

O dirigente da UNITA considerou que o início de 2018 constitui uma oportunidade ímpar para os angolanos começarem “a partir os muros altos da partidarização do Estado” e darem início à construção dos fundamentos “para a construção de nação, inclusiva, solidária e verdadeiramente reconciliada”.

“Façamos de 2018, o ano da despartidarização do Estado e da reconciliação nacional”, exortou Isaías Samakuva, que vai continuar à frente dos destinos do partido até 2019, correspondendo ao desejo dos militantes, apesar de ter manifestado este ano vontade de deixar o cargo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)