Catástrofes

Tempestade Tembin a caminho do Vietname

Tufão que matou mais de 200 pessoas nas Filipinas encaminha-se para o Vietname. Um milhão de pessoas na costa sul do país podem ser retiradas.

Mindanao, no sul das Filipinas, foi uma das regiões mais afetadas pela tempestade

AFP/Getty Images

A tempestade Tembin, que matou mais de 200 pessoas nas Filipinas entre sexta-feira e domingo, deverá atingir a costa do Vietname ainda esta segunda-feira — razão pela qual as autoridades vietnamitas estão a preparar um plano de evacuação no sul do país que pode abranger mais de um milhão de pessoas.

De acordo com o comité de prevenção de catástrofes do Vietname, citado pela agência Reuters, 74 mil pessoas já foram transferidas de suas casas para outras zonas do país. As autoridades de 15 províncias estão em estado de alerta e preparados para transferir outro milhão de pessoas, se necessário.

Para além disso, o Governo está a preparar um plano para proteger as embarcações e plataformas petrolíferas, segundo um comunicado publicado no site do Executivo vietnamita. “O Vietname tem de garantir a segurança das suas plataformas petrolíferas e das embarcações. Se necessário, fechar as plataformas e retirar os trabalhadores”, declarou o primeiro-ministro Nguyen Xuan Phuc.

Os tufões são frequentes na região, mas a Tembin revelou ser uma tempestade particularmente forte, provocando mais mortes do que o habitual. Saripada L. Pacasum, especialista em gestão de catástrofes, falou à BBC a partir do sul das Filipinas, em Mindanao, e garantiu que a intensidade da tempestade foi surpreendente: “Nós costumamos ter este tipo de tempo, mas esta foi muito mais forte”, disse. “Da experiência que tenho, esta foi a mais forte que já enfrentei. E a água subiu com muita rapidez.”

Nas Filipinas, a tempestade Tembin, que atingiu o país católico durante as celebrações do Natal, provocou mais de 240 mortos e deixou mais de 75 mil pessoas sem casa.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbruno@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)