Beja

Beja. Casal de médicos vai de férias e deixa hospital sem cardiologistas

3.007

Os dois únicos cardiologistas do Hospital de Beja são marido e mulher e tiraram férias ao mesmo tempo. Os doentes são vistos por médicos de medicina interna ou encaminhados para Évora ou Lisboa.

Os dois médicos são marido e mulher e tiraram três dias de férias, de 27 a 29 de dezembro

Angelo Lucas / Global Imgens

Autor
  • Marlene Carriço

Os dois únicos médicos cardiologistas do Hospital José Joaquim Fernandes, em Beja, estão de férias esta semana. E os doentes que estão internados no serviço de cardiologia, nomeadamente vítimas de enfarte, têm recebido a indicação de que a avaliação só lhes será feita dia 2 de janeiro, quando os dois cardiologistas estiverem de volta ao serviço.

O gabinete de comunicação da Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo (ULSBA) confirmou ao Observador que os dois médicos são marido e mulher e que tiraram três dias de férias — de 27 a 29 de dezembro. Questionada sobre se a administração do hospital não coloca entraves ao gozo de férias em simultâneo por parte dos dois únicos cardiologistas, a mesma fonte não respondeu.

Nas situações de ausência dos médicos Cardiologistas da ULSBA, EPE, por motivo de férias e/ou doença (são cônjuges), e em caso de situação clínica que justifique, os doentes são orientados para outras Instituições do Serviço Nacional de Saúde (SNS), nomeadamente para o Hospital do Espírito Santo, em Évora, e para o Hospital de Santa Marta, em Lisboa, conforme rede de referenciação”, esclareceu a mesma fonte hospitalar, que não conseguiu dizer, em tempo útil, quantos doentes terão já sido reencaminhados para outras unidades, por falta de resposta daquela especialidade.

No caso de situações de “patologia cardíaca aguda”, os doentes que chegam ao Hospital José Joaquim Fernandes são observados e orientados por médicos de medicina interna que “estão em contacto com o Serviço de Cardiologia do Hospital de Santa Marta e enviam doentes para exames diferenciados, nomeadamente hemodinâmica, com regularidade, tal como acontece na presença dos médicos cardiologistas”.

Os doentes que “por ausência dos dois médicos cardiologistas são encaminhados para as instituições atrás referidas, após submetidos a avaliação clínica, por regra, são reencaminhados para posterior acompanhamento e continuidade de cuidados no Serviço de Cardiologia do Hospital José Joaquim Fernandes, em Beja”.

Este período do final de ano é um dos mais críticos no que toca a assegurar cuidados hospitalares, nomeadamente nas urgências. E o normal tem sido os hospitais recorrerem a médicos tarefeiros, ainda que com regras cada vez mais apertadas e cortes também nesta área.

Já esta semana o Correio da Manhã tinha noticiado que, por falta de médicos em Évora, o helicóptero do Instituto Nacional de Emergência Médico (INEM), estacionado normalmente naquela cidade, foi deslocado para Lisboa nos dias 24 e 25 de dezembro e que o socorro aéreo em todo o Alentejo e zona de Santarém foi assegurado a partir de Lisboa. Entre Lisboa e Évora o voo demora “aproximadamente 15 minutos”, esclareceu ao jornal fonte do INEM. Contas feitas, se um doente precisar de ser transportado de Évora para Lisboa, esse transporte vai demorar 30 minutos, o dobro do tempo face ao que acontece quando o helicóptero está lá parado.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
25 de Abril

O Governo Ensombrado vai ao circo

Manuel Castelo-Branco
1.552

Se hoje é possível um programa como o Governo Sombra, foi porque o Copcon de Otelo não vingou. Porque apesar de serem “apenas” 17 vítimas mortais, as FP25 foram desmanteladas e os seus membros presos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)