Desde 1992 que o Estado do Alabama pertenceu sempre ao Partido Republicano. Mas o candidato (e ultra-conservador) Roy Moore – que surpreendentemente venceu as primárias republicanas naquele Estado – perderia para o democrata Doug Jones as eleições intercalares de 13 de dezembro: Jones obteve 49,9% (e 670.551 votos) contra os 48,4% de (649.240 votos) de Moore.

A diferença foi de 20.000 votos – e o intervalo que separa os dois candidatos é superior ao meio ponto percentual. Tal facto obrigou à recontagem dos votos. Mas Roy Moore quer mais. Quer a realização de novas eleições, afirmando que “quando os números são tão próximos quer dizer que ainda não acabou”.

Assim sendo, Moore interpôs esta quarta-feira uma ação judicial (num tribunal de Montgomery) para impedir que o democrata Doug Jones seja oficialmente declarado vencedor das eleições. E alega que houve irregularidades, reclamando uma investigação por fraude. Os advogados do candidato republicano explicaram que o objetivo da ação judicial é “preservar a evidência de uma potencial fraude eleitoral e adiar a certificação das eleições pelo secretário de Estado John Merrill até que seja concluída a investigação”.

Mas o secretário de Estado garantiu à Associated Press que “não vai existir adiamento” e Doug Jones será declarado vencedor e prestará juramento a 3 de janeiro. Merrill acrescentou igualmente que até à data o seu gabinete não encontrou provas de fraude. Tal viria a acontecer mais tarde. O secretário de Estado confirmou que o democrata Doug Jones é o vencedor das eleições.

Recentemente e durante a campanha eleitoral, após investigação do Washington Post, Roy Moore foi acusado de abuso sexual por oito mulheres – quatro delas ainda adolescentes à data dos alegados abusos. Apesar do recuo do Partido Republicano no apoio à candidatura de Moore depois das acusações, o Presidente norte-americano Donald Trump nunca deixou de o fazer, tendo mesmo afirmado em comícios que as mulheres que acusaram Roy Moore eram “mentirosas”.

Depois da derrota de Moore, Trump escreveria no Twitter: “Sempre disse que Roy Moore não conseguiria ganhar uma eleição geral e tinha razão! Ele trabalhou muito mas estava tudo contra ele”.