Rádio Observador

Companhias Aéreas

American Airlines acusa jogadores de basquetebol de roubo e pede desculpa

A American Airlines acusou dois jogadores de basquetebol, afro-americanos, de terem roubado mantas a bordo. A companhia já pediu desculpas pelo incidente.

A companhia aérea American Airlines pediu desculpa aos jogadores profissionais de basquetebol Marquis Teague e Trahson Burrell, depois de, erradamente, os ter acusado de roubarem mantas a bordo.

Os afro-americanos, que jogam na equipa profissional americana Memphis Hustle, da Associação Nacional de Basquetebol, entraram no avião na noite de véspera de Natal, mas antes de o voo partir foram obrigados a sair, depois de um comissário de bordo ter afirmado que tinham roubado mantas da cabine de primeira classe, segundo a BBC.

Os jogadores defenderam-se, dizendo que não tinham roubado as mantas e lhes tinham sido dadas por outros passageiros, mas ainda assim foram obrigados a sair.

Nenhum dos atletas comentou o incidente, mas o treinador assistente da equipa, Darnell Lazare, contudo, não deixou de fazer um comentário na sua conta do Twitter, afirmando que acredita que a situação ocorreu devido à raça dos atletas.

Entretanto, a empresa já fez um comentário, através de um porta-voz.

Pedimos desculpa pelo que ocorreu neste voo. Orgulhamo-nos de criar um bom ambiente entre as pessoas e sabemos que neste voo deixámos de lado alguns dos nossos passageiros”, disse o porta-voz da American Airlines, Joshua Freed.

Glynn Cyprien, treinador da equipa, brincou com a situação, fazendo também uma publicação no Twitter.

A Associação Nacional para o Progresso de Pessoas de Cor (NAACP, na sigla em inglês) tem estado atenta às situações de discriminação por parte da companhia norte-americana. O caso dos jogadores de basquetebol não passou despercebido à NAACP, já que a 30 de novembro, a American Airlines concordou, em reunião com a Associação, em implementar mudanças nos processos internos da empresa para abordar as queixas de racismo e discriminação.

Esta não é a primeira vez que um caso semelhante acontece. Entre os casos que chegaram à NAACP estão o de um casal — uma mulher afro-americana e um homem branco –, cuja mulher foi obrigada a viajar numa classe diferente da do marido, tendo este viajado em primeira classe; e o de um homem afro-americano que foi forçado a abandonar o voo depois de ter respondido a comentários racistas e discriminatórios de dois passageiros brancos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)