Ano Novo

Câmara diz que comprou cartolas a socialista porque apresentou “preço mais baixo”

866

A EGEAC esclareceu esta quinta-feira que adjudicou as cartolas a uma empresa unipessoal, de um antigo autarca socialista, porque era o "preço mais baixo" das três propostas apresentadas.

JOSE SENA GOULAO/LUSA

Tudo começou com um ajuste direto da EGEAC — empresa da Câmara de Municipal de Lisboa que gere as atividades culturais –, para compra de 30 mil cartolas para a Passagem de Ano por 57 mil euros, noticiada pelo jornal Sol. As redes sociais incendiaram-se de indignação e fonte EGEAC veio esclarecer que tudo seria pago por um “patrocinador”: a Super Bock. Mas havia outro dado. A s cartolas foram compradas a um ex-autarca socialista, acrescentaria depois a Sábado. Esta sexta-feira, a EGEAC emitiu uma nota a dizer que foram consultadas três entidades e que se limitou a escolher o preço mais baixo. Mas essas entidades não são indicadas na publicitação no site Base.gov.

O Observador questionou a EGEAC sobre quem foram as outras duas entidades consultadas, mas não obteve resposta até à publicação deste artigo. No comunicado, a EGEAC explica que, “relativamente ao contrato de fornecimento de trinta mil cartolas para a passagem de ano 2017/2018, foi realizado um procedimento pré-contratual de ajuste direto com consulta a três entidades que trabalham nesta área, cujo critério de adjudicação foi o do preço mais baixo”. Foi assim, explica a EGEAC, que “foi selecionada, de acordo com o critério acima referido, a empresa Whitespace Creative Communication, Unipessoal, Lda., cuja proposta cumpriu todos os requisitos constantes no caderno de encargos”.

A Whitespace Creative é uma empresa do socialista Pedro Calhordas que foi deputado municipal do PS em Estremoz no mandato de 2009-2013 e onde, segundo a revista Sábado, enfrentou problemas de incompatibilidades, precisamente por ter celebrado um contrato de prestação de serviços (na área do design) com a autarquia no valor 57.948,55 euros.

A EGEAC aproveitou ainda a nota para “informar que à semelhança das Festas de Lisboa, está garantida a recolha e a transformação através de processos de reciclagem do plástico produzido nos três dias de concertos na Praça do Comércio”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Ano Novo

2019 é quando, e se, um homem quiser /premium

Alberto Gonçalves
1.226

O importante é rompermos com as representações que o “sistema” nos atribui e assumirmos a essência do que realmente nos representa. E eu, ao invés do que o Estado presume, não me sinto contribuinte.

Psicologia

O outro lado das resoluções de ano novo /premium

Teresa Espassandim

Sejamos honestos: não há qualquer problema com as resoluções de ano novo e, mais ainda, pode até ser prenúncio da vontade em mudar algo nas nossas vidas, com envolvimento, compromisso, risco, esforço.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)