Saúde

Ordem dos Enfermeiros denuncia caos nos hospitais e apela à tutela que “tome uma atitude”

481

A bastonária denunciou "o caos instalado na maior parte das urgências do país" e apelou ao Ministério da Saúde que "tome uma atitude". "O senhor ministro tem que se responsabilizar por este caos."

MÁRIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco, denunciou este sábado, em declarações à Lusa, “o caos instalado na maior parte das urgências do país” e apelou ao Ministério da Saúde que “tome uma atitude”.

O que se está a passar é aquilo que nós já tínhamos antecipado quase há dois meses, quando denunciámos que o Ministério das Finanças não tinha autorizado pela primeira vez – nunca aconteceu isto em nenhum ano, não autorizar – a contratação dos enfermeiros necessários para o período de contingência da gripe”, começou por dizer a bastonária da Ordem dos Enfermeiros.

“Portanto, sem profissionais e com novos serviços – ditos serviços para gripe que são abertos nesta altura -, os doentes acumulam-se, os tempos de espera aumentam e está o caos instalado na maior parte das urgências do país”, apontou Ana Rita Cavaco.

Questionada pela agência Lusa sobre quais são os hospitais mais críticos, Ana Rita Cavaco deu o exemplo de Faro, onde esteve o presidente da secção regional do Sul da Ordem, “porque inclusive um enfermeiro da triagem foi ameaçado, as pessoas não compreendem, estão desesperadas”.

Ou seja, está-se “a falar de tempos de espera superiores a 20 horas, isto para os menos urgentes, porque para os laranjas que são os muito urgentes”, os tempos de espera são “de seis horas”, o que “é inadmissível”, continuou Ana Rita Cavaco.

Também os Hospitais da Universidade de Coimbra estão a ser afetados, segundo a bastonária, que apontou que no serviço de urgência os doentes estão “todos misturados, doentes com meningite, doentes com outras infeções, não há controlo de infeção”.

Neste hospital “estavam mais de 170 pessoas na urgência, mais 30 à espera de ser triadas”, disse.

No caso do hospital de Leiria, foram retirados “enfermeiros dos cuidados intensivos, deixando esses doentes em insegurança para pôr os enfermeiros nas urgências porque não têm”, denunciou.

Portanto, apelamos aos conselhos de administração que vos digam a verdade, das dificuldades que estão a ter, e ao ministério da Saúde que tome uma atitude. O senhor ministro tem que se responsabilizar por este caos que já se esperava no pico da gripe e ainda agora começou, porque vai piorar”, salientou a representante dos enfermeiros.

Questionada sobre se a Ordem tentou falar com o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, Ana Rita Cavaco afirmou: “Nós não conseguimos falar com o senhor ministro da Saúde desde julho, é uma pena, mas de facto não há da parte dele disponibilidade para falar com os representantes do maior grupo profissional da saúde”.

Apesar disso, acrescentou, a Ordem dos Enfermeiros tem alertado “para o que se está a passar no terreno e para a falta de condições dos enfermeiros poderem trabalhar”

“Neste momento não têm condições nenhumas para trabalhar”, garantiu, apelando ainda aos media para que se visitem os hospitais para constatar no terreno o que se está a passar.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)