O CDS quer que seja “disponibilizada de imediato” a cópia do contrato de patrocínio entre a Super Bock e a Câmara Municipal de Lisboa e a cópia do processo que levou ao ajuste direto de 30 mil cartolas para a festa do Ano Novo. A Super Bock adiantou que nada exigiu à autarquia, limitando-se “ao papel de patrocinador do evento”.

A polémica da compra das cartolas surgiu após uma notícia do jornal i, que dava conta de que a EGEAC (Empresa Municipal de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural de Lisboa) teria gasto 57 mil euros para comprar 30 mil cartolas para a festa da passagem de ano na Praça do Comércio.

Câmara de Lisboa gasta 57 mil euros em 30 mil cartolas para celebrar fim de ano

Na sequência da notícia, fonte da empresa municipal explicou que seria o patrocinador, a Super Bock, a arcar com os custos. Mais: a presidente da EGEAC esclareceu que a compra das cartolas tinha sido uma contrapartida obrigatória da marca de cervejas, para que houvesse um patrocínio no valor de 200 mil euros.

Quanto ao facto de a EGEAC ter adjudicado as cartolas a uma empresa de um antigo autarca socialista, a empresa referiu ainda que foram consultadas três entidades e que foi escolhida aquela que apresentou o preço mais baixo.

Câmara diz que comprou cartolas a socialista porque apresentou “preço mais baixo”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Este sábado, contudo, o jornal SOL avançou que a Super Bock não só nada teve a ver com a decisão de distribuir cartolas na noite de passagem do ano, como nunca se tratou de uma condição para o financiamento. “O envolvimento da Super Bock com o evento ‘Super Ano Novo’ está limitado ao papel de patrocinador do evento”, referiu a Super Bock Group ao semanário.

Numa carta enviada pelo vereador João Gonçalves Pereira à chefe de gabinete do Presidente da Câmara de Lisboa, Fátima Madureira, o CDS explica que já tinha pedido “que fossem explicados, à Câmara Municipal e aos lisboetas, os contornos deste negócio e da decisão que o permitiu, designadamente o ajuste direto a uma empresa intermediária e não executante/produtora do material adjudicado”. Algo que ainda não aconteceu, “contrariando o dever de transparência e de accountability do Presidente da CML para com os demais eleitos”.

Para os centristas, a notícia do SOL “põe em causa o bom nome da Câmara e a relação que esta deve ter com os patrocinadores que apoiam iniciativas municipais”.

“Assim sendo, e por forma a esclarecer cabalmente esta situação muito pouco clara, o CDS vem requerer que seja disponibilizada de imediato a cópia do contrato de patrocínio e a cópia de todo o processo que deu lugar ao ajuste direto das 30.000 cartolas. Não deixaremos de continuar a exigir do Presidente Fernando Medina o apuramento de todos os factos e de todas as responsabilidades sobre a forma como o dinheiro dos lisboetas é aplicado e sobre a correção dos procedimentos envolvidos”, conclui a carta.