Rádio Observador

IPSS

Raríssimas. Ainda não foi apresentada nenhuma lista candidata à direção

Associados tinham até sexta-feira para apresentarem uma candidatura antes da realização da Assembleia-Geral, na quarta-feira, onde deveria decorrer a eleição.

Caso não surja nenhuma candidatura até ao dia da Assembleia-Geral ou no próprio decurso da reunião, será convocada nova assembleia

RUI MINDERICO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Os associados da Raríssimas não apresentaram qualquer lista candidata à direção da associação até ao final do dia de sexta-feira, data limite indicativa dada na convocatória à Assembleia-Geral, que se realiza na próxima quarta-feira, confirmou à Agência Lusa o presidente da mesa, Paulo Olavo Cunha. Caso não surja nenhuma candidatura até ao dia da Assembleia-Geral ou no próprio decurso da reunião, será convocada nova assembleia no prazo de cerca de um mês, acrescentou o responsável.

Segundo a convocatória emitida dia 15 de dezembro, os associados da Raríssimas que quisessem apresentar listas candidatas à direção e conselho fiscal da associação deviam fazê-lo até ao dia 29 deste mês, sendo a Assembleia-Geral da instituição no dia 3 de janeiro.

A Assembleia-Geral Extraordinária foi convocada depois da demissão da presidente da direção, Paula Brito Costa, na sequência da reportagem da TVI sobre alegadas irregularidades nas contas da Raríssimas, tendo a reportagem apresentado documentos que colocam a agora ex-presidente da associação como suspeita de utilizar fundos da Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) para fins pessoais.

A Assembleia-Geral Extraordinária está marcada para 3 de janeiro às 10h no salão do quartel da Associação dos Bombeiros Voluntários da Moita, mas antes disso seria necessário tempo para preparar os boletins de voto, já que a eleição dos membros é feita por voto secreto, isto no caso de terem surgido listas.

Segundo a ordem de trabalhos da Assembleia, vão ser eleitos os membros da direção até ao máximo de nove até ao final do mandato em curso (2016/2019) e designar entre eles o presidente, vice-presidente, tesoureiro, secretário e um máximo de cinco vogais efetivos, “em substituição dos membros da direção que renunciaram ao cargo e dos que, tendo sido oportunamente eleitos, declararam não pretender tomar posse”. Vão ser ainda eleitos os membros do conselho fiscal, até ao máximo de três.

Só podem fazer parte das listas candidatas os associados que tenham pelo menos um ano de filiação e que, por isso, tenham sido admitidos até ao dia 3 de janeiro deste ano. As listas devem apresentar os elementos por funções a desempenhar e devem ser também apresentados os currículos dos candidatos, incluindo menção a cargos sociais desempenhados nos últimos cinco anos.

Não são elegíveis para cargos da direção ou do conselho fiscal os associados que tenham sido removidos de cargos diretivos ou tenham sido declarados responsáveis por irregularidades cometidas no exercício dessas funções. O mesmo acontece para os que tenham sido condenados em processo judicial por crime doloso contra o património, abuso de cartão de garantia ou de crédito, apropriação ilegítima de bens do setor público, corrupção ou branqueamento de capitais. Os candidatos também não serão elegíveis se ocuparem outro cargo na Raríssimas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)