Esqueça o ar “fofinho” do Fiat 500, pois este Cinquone é uma máquina infernal. Concebido pelo preparador italiano Romeo Ferraris, que além de carros de competição se dedica ao tunning mais exuberante, o Cinquone Qatar tem como base o Abarth 500, com que Ferraris compete nas provas do campeonato italiano de carros de Turismo. O motor é um 1.4 Turbo “puxado” até aos 248 cv, o que lhe permite superar 240 km/h e ultrapassar os primeiros 100 km/h em apenas 5,5 segundos.

O ADN de competição da versão Qatar do Cinquone não se fica pelo motor. Também os travões são os mesmos utilizados nas corridas, uns imponentes discos e maxilas Brembo de quatro pistões, tal como o escape e até o habitáculo reforçado com um roll bar completo, com apenas bancos à frente, e uma traseira despida, onde estão alojados um par de capacetes Sparco, já com intercomunicadores.

Talvez o mais importante (visualmente) dos atributos herdados da competição seja o kit de carroçaria, que alarga generosamente os guarda-lamas, com os pára-choques a acompanhar a transformação, tudo para alojar vias e pneus consideravelmente mais largos.

Contudo, não se deixe enganar pela herança das corridas que o Qatar exibe, pois ele também inclui muitos argumentos que não destoariam num Bentley ou num Rolls-Royce. A começar pelas flûtes de champanhe, colocadas junto ao selector da caixa de velocidades, mas continuando por todos os pequenos apontamentos em folha de ouro que decoram o habitáculo, flûtes incluídas, e pelo cuidado revestimento a pele, onde nem o roll bar de protecção escapa ao nobre material. De salientar ainda as colunas integradas nos encostos de cabeça e a sigla “AA” um pouco por todo o lado, que esperamos ser relativa ao nome do cliente da Romeo Ferraris e não de qualquer associação tipo alcoólicos anónimos. É que, com as flûtes de champanhe, ficámos na dúvida…