Igreja Católica

Cardeal patriarca de Lisboa segue o exemplo do Papa e apela a “olhar de paz” para com imigrantes e refugiados

306

Na primeira missa de 2018, na Benedita, Manuel Clemente citou a mensagem de ano novo do papa Francisco e apelou aos católicos para que dirijam um "olhar de paz" a imigrantes e refugiados.

ANTONIO COTRIM/LUSA

O cardeal patriarca de Lisboa, Manuel Clemente, apelou esta segunda-feira aos católicos para que dirijam um “olhar de paz” para os outros, principalmente para imigrantes e refugiados, que procuram Portugal “por razões de pura sobrevivência”.

Para a primeira missa do ano, o cardeal escolheu a Igreja de Nossa Senhora da Encarnação, na Benedita, em Alcobaça, distrito de Leiria e diocese de Lisboa, centrando a sua homilia na mensagem “Imigrantes e refugiados: homens e mulheres que procuram a paz”, sugerida pelo papa Francisco para este Dia Mundial da Paz.

“O papa Francisco dirige esta mensagem especialmente aos imigrantes e aos refugiados, que são muitíssimos no mundo de hoje – 250 milhões de imigrantes é efetivamente uma multidão – e muitos deles muito mal recebidos e mal acompanhados. E muitos deles tiveram de emigrar por procura de melhor vida, mas também de sobrevivência”, disse.

Manuel Clemente lembrou que também Jesus, Maria e José tiveram de refugiar-se no Egito para fugir a Herodes e realçou que Jesus Cristo sempre se apresentou como o “príncipe da paz”, tendo “um olhar de paz, de pacificação, para os que estão perto e para os que vêm longe”, porque “nas terras de onde provêm nem têm paz, nem têm pão, nem têm sossego, nem têm nada”.

“Um olhar que, por vezes, também tinha advertências sérias, porque, como sabemos, a paz é fruto da justiça, e só a podemos alcançar quando somos justos e damos a Deus e aos outros aquilo que lhes é devido”, acrescentou.

O Cardeal sublinhou que este olhar de pacificação deve ocorrer junto das famílias de cada um e alargado da família “a esta grande família em que a sociedade se deve tornar para os de cá e para os que nos procuram”.

“Temos de ser os primeiros colaboradores desta pacificação. (…). Devemos reforçar este olhar. E este olhar, segundo o papa, é um olhar que depois se desdobra em quatro atitudes, uma atitude de acolhimento, outra de proteção, de promoção e de integração”, disse.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Igreja Católica

A Europa e a Páscoa dos Cristãos no Mundo

Raquel Vaz-Pinto
357

Ao celebrar a Páscoa e a sua compaixão devíamos reflectir sobre os sacrifícios dos cristãos que vivem longe e fazer a pergunta difícil e dolorosa: conseguiríamos manter a Fé e de seguir o seu exemplo?

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)