A 1 de janeiro de 2018 às 22 horas a Lua esteve no ponto mais próximo da Terra no percurso de translação em redor do nosso planeta. O perigeu, nome científico dado a essa proximidade, mostrou à Terra um dos fenómenos astronómicos mais instagramáveis que podemos ver a olho nu: a Super Lua. O nosso satélite natural esteve 14% maior e 30% mais brilhante do que quando está no apogeu, ou seja, no ponto mais distante de nós.

Se perdeu a iluminada noite que a Lua trouxe à Terra nas primeiras horas do ano, marque já no calendário: o fenómeno vai repetir-se a 30 de janeiro. E será a última de uma série de três Super Luas que têm ocorrido desde dezembro do ano passado.

Embora a Super Lua faça brilhar os olhos dos mais fascinados pela astronomia, o fenómeno é menos entusiasmante do que parece. É que a diferença entre uma Super Lua e outra qualquer é quase impercetível para nós, tudo porque a distância entre a Terra e a Lua é de 363 mil quilómetros, mais ou menos como dar nove voltas ao planetas pela linha do Equador. Mas não tiremos a magia ao momento, porque o fenómeno é mesmo especial: para ocorrer é preciso que o perigeu ocorra quase ao mesmo tempo em que o satélite entra na fase de Lua Cheia. Foi o caso no primeiro dia do ano: o perigeu aconteceu às 21h54 e a Lua Cheia começou apenas umas horas mais tarde, às 02h24.

Se esteve desatento ao céu na primeira noite do ano, prepare tudo para a noite de 30 de janeiro: o nosso satélite natural vai voltar a aproximar-se da Terra ao mesmo tempo que entra numa nova fase de Lua Cheia. Esta será a segunda e última Super Lua do ano, mas a entrada na fase cheia e a chegada ao perigeu não vai ser tão espetacular quanto a que aconteceu na última segunda-feira: no final do mês, a Lua vai estar no perigeu às 07h55 (e vai estar 2 mil quilómetros mais longe da Terra do que na primeira noite do ano) e vai entrar na fase cheia às 11h25 de 31 de janeiro. Se mesmo assim quiser tentar a sua sorte e encher o Instagram de fotografias, faça-o como mandam os especialistas no artigo aqui em baixo.

Superlua: o que precisa saber sobre a Lua XXL de segunda-feira