Transportes

Aumento do preço dos transportes urbanos está “em linha com a inflação”

O ministro do ambiente, Matos Fernandes, realçou que "os títulos de transporte que são mais utilizados não só não aumentaram como até tiveram uma baixa no seu valor".

Autor
  • Agência Lusa

O ministro do Ambiente, Matos Fernandes, afirmou esta terça-feira que o aumento do preço dos títulos dos transportes públicos nas áreas metropolitanas de Lisboa e Porto está “absolutamente em linha com a inflação”.

Segundo João Matos Fernandes, “o aumento médio dos transportes do país é de 2%” e este ano há “um limite que nunca tinha acontecido nos anos anteriores”, que impede aumentos de 4% ou 5%.

“O aumento médio é de 2%, o máximo que pode existir [por cada título] é de 2,5%. E no Andante e no Viva o aumento é de 1,4%”, frisou.

O ministro salientou também que, além do desconto de 25% nos passes Sub23, este ano há um desconto de 25% nos passes Sub18, o que quer dizer que “os títulos de transporte que são mais utilizados não só não aumentaram como até tiveram uma baixa no seu valor”.

Matos Fernandes, que falava aos jornalistas à margem da cerimónia de tomada de posse do novo conselho de administração da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP), destacou também que a diminuição dos custos de transporte “para aqueles que são os clientes mais habituais” permite conquistar mais passageiros.

Além deste fator, disse, as empresas de transporte público estão também a conquistar passageiros pelo “aumento da qualidade e da fiabilidade”. O ministro sublinhou, ao nível de impostos, que os clientes “podem reduzir todo o IVA da compra dos passes” em sede de IRS.

De acordo com um despacho recente do Governo, o preço dos bilhetes dos transportes públicos sofre este ano um aumento de até 2,5%, e todas as crianças e jovens vão beneficiar de um desconto de 25% nos passes mensais.

O documento refere que a atualização a aplicar na tarifa de cada título de transporte não pode ser superior a 2,5% sobre a tarifa atual, prevendo-se que os cartões Lisboa Viva, Viva Viagem/7 Colinas e Andante não sofram aumentos.

Já para os transportes coletivos rodoviários interurbanos de passageiros em percursos inferiores a 50 quilómetros (Rodoviária) e para os transportes coletivos nas áreas metropolitanas de Lisboa e Porto — Carris e STCP, transportes fluviais, e comboios urbanos e suburbanos em percursos inferiores a 50 quilómetros — foi fixada em 2% a percentagem máxima de aumento médio.

Desde segunda-feira que também todas as crianças e jovens, dos 4 aos 18 anos, beneficiam de um desconto de 25% nos passes mensais, “sem prejuízo dos descontos superiores já previstos para os estudantes beneficiários de ação social”.

Também o passe Sub23 @superior.tp, dirigido a todos os estudantes do ensino superior até aos 23 anos, foi alargado aos serviços de transporte coletivo de passageiros autorizados ou concessionados pelos organismos da administração central e regional, bem como aos serviços de transporte de iniciativa dos municípios, com um benefício igualmente de 23%.

Além disso, foi alargada a idade até à qual os estudantes de Medicina e de Arquitetura podem beneficiar deste título de transporte — até aos 24 anos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Operação Marquês

Porque é que só há uma Ana Gomes?

Rui Ramos
171

A sociedade portuguesa gera rotação no poder quando o dinheiro acaba, como vimos em 2002 ou em 2011. Mas já não gera alternativas, como constatámos em 2015 com o regresso dos colegas de Sócrates.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site