Geopolítica

Eurasia “pressente” que pode haver “grande crise inesperada” em 2018

136

"O mundo tornou-se um local mais perigoso", diz a consultora de riscos políticos Eurasia Group, que vê uma mudança tectónica no poder, a nível global, capaz de causar "terramotos".

FRED DUFOUR/AFP/Getty Images

“Se tivéssemos de apostar num ano em que poderia ocorrer uma grande crise inesperada — um equivalente geopolítico do colapso financeiro de 2008 — pressentimos que seria 2018″. Este é o alerta do Eurasia Group, uma influente consultora de riscos políticos com sede em Nova Iorque mas com presença global. A consultora está preocupada com a mudança tectónica que, na sua opinião, está a ocorrer, com os EUA de Trump cada vez mais virados para dentro e a China a querer conquistar uma maior fatia do protagonismo internacional.

No relatório publicado esta terça-feira, que pode ser lido gratuitamente nesta ligação, o Eurasia Group pede-nos que “sejamos honestos: 2018 não se afigura bom”.

Sim, os mercados estão em alta e as economias não estão a portar-se mal, mas os cidadãos estão divididos. Os governos não estão a governar lá muito. E a ordem global está a ruir”.

O Eurasia, que considera “assombrosos” os desafios políticos à escala mundial, lamenta — sim, diz, mesmo, “lamentamos” — que nos 20 anos desde que a consultora foi fundada, um período com muitos altos e baixos no mundo, nenhum ano como 2018 parece tão propenso a uma grave crise internacional. E uma das principais razões está ligada à “muito maior fragmentação dos mercados globais, porque os governos estão cada vez mais intervencionistas“.

Em entrevista à Bloomberg, o presidente da Eurasia, Ian Bremmer, comentou que uma das questões de base é que “os chineses vão cada vez mais ser vistos como o maior motor para o desenvolvimento de outras economias, que tenderão a alinhar-se mais com Beijing do que com Washington”.

Se para alguns países do Ocidente essa troca — EUA por China — não parece muito agradável, “para muitos países é uma alternativa plausível. E Xi Jinping está pronto e disponível para ser essa alternativa e alargar a influência da China, e esse é o grande risco para o mundo neste ano”, escreve o Eurasia no relatório. Em áreas como o comércio e o investimento, a tecnologia e os valores, a China está a conseguir, como nunca, definir os padrões internacionais.

Trump terminou o ano a dizer-se “dececionado” com a China

Donald Trump recebeu o presidente chinês no seu resort de Mar-a-Lago em 2017, mas o ano terminou, porém, com uma notícia preocupante, neste cenário. O presidente norte-americano criticou a China, alegando que teria sido “apanhada em flagrante” a entregar petróleo à Coreia do Norte — uma acusação de violação das sanções que a China recusou por completo.

Trump disse-se “muito dececionado” com a China na forma como gere a relação com a Coreia do Norte, um país pequeno e insignificante na economia global mas que está no centro de uma disputa geopolítica que, como em outros episódios na história mundial, arrisca precipitar uma cadeia de acontecimentos que desestabilize a paz mundial.

“Não estamos à beira de terceira guerra mundial”, escreve o Eurasia. Mas, com os EUA cada vez mais virados para dentro, “sem um garantidor da segurança global, e com a proliferação de atores infra-nacionais capazes de ter iniciativas desestabilizadores, o mundo tornou-se um local perigoso”, acrescenta a consultora, que não é a única a considerar a Coreia do Norte (e o que ela pode desencadear) o principal risco para as economias mundiais em 2018:

Mas não é só a Coreia do Norte que preocupa o Eurasia, neste contexto. Além das questões relacionadas com a Síria e o extremismo islâmico, a consultora destaca o Irão e as relações cada vez mais difíceis com os EUA, que podem levar a que seja rasgado o acordo nuclear assinado por Barack Obama.

Trump embirra especialmente com o Irão. Tenha ou não tenha razão, parece que Trump acredita que o Irão é a raiz de muito do mal que existe no mundo”

Outra das áreas em que a China está a tentar garantir uma hegemonia futura é na tecnologia e, em concreto, em áreas como a inteligência artificial. Uma área onde a China está a investir fortemente nos últimos anos.

À medida que os nossos carros, casas, fábricas e infraestruturas públicas começam a gerar enormes montanhas de dados; à medida que a conectividade evolui no sentido da realidade aumentada, uma nova geração de humanos vão dar por si ‘ligados’ 24 horas por dia, o que terá implicações importantes para a sociedade e para a geopolítica”, diz o Eurasia. Até lá, contudo, é no campo da tecnologia que está a decorrer a “maior batalha em todo o mundo, por poderio económico”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Global Shapers

Dia Internacional das Migrações /premium

Filipa Correia de Araújo

Refletir sobre se estamos a fazer o suficiente para receber e envolver os emigrantes que nos escolhem como sua nova morada é essencial para que continuemos a viver à margem do radicalismo político.

Política Externa

O Imperador vai nu /premium

Diana Soller
198

A situação geográfica de Portugal coloca-o numa posição estratégica privilegiada para os interesses das grandes potências. Pelo que o Estado terá que tomar decisões muito sérias quanto ao nosso futuro

PS

O terrível regresso da "Europa da troika" /premium

Miguel Pinheiro

Nas eleições europeias, o PS é contra a "Europa da troika", contra a "Europa dos populistas" e contra a "Europa do Brexit". Ou seja: é uma soma de confusões, contradições e baralhações.

Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Governo

Cogitações sobre a remodelação /premium

Maria João Marques

Costa promoveu pessoas com pouquíssima experiência profissional fora da vida política. É dos piores indicadores para qualquer político. Viver sempre na bolha dos partidos é péssimo cartão de visita.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)