PSD

Rui Rio e Santana Lopes são os únicos candidatos à liderança do PSD

Rui Rio e Pedro Santana Lopes são os únicos candidatos à liderança do PSD. As eleições diretas do partido estão marcadas para 13 de janeiro.

HUGO DELGADO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Pedro Santana Lopes e Rui Rio são os únicos candidatos às eleições diretas de 13 de janeiro, nas quais os militantes sociais-democratas escolherão o próximo presidente do PSD, disse à Lusa fonte oficial do partido.

O prazo para a entrega de candidaturas e respetivas moções de estratégia terminou esta terça-feira às 18:00.

Rui Rio formalizou a sua candidatura na quinta-feira, com a entrega na sede nacional do PSD, em Lisboa, de 2446 assinaturas e da moção intitulada “Do PSD para o país”, que foi apresentada publicamente um dia antes, em Leiria.

Pedro Santana Lopes formalizou esta terça-feira a candidatura, entregando 2525 assinaturas, e a moção “Unir o partido, ganhar o país”.

O PSD escolherá o seu próximo presidente a 13 de janeiro em eleições diretas, com Congresso em Lisboa entre 16 e 18 de fevereiro.

Mais de 70 mil militantes do PSD vão poder participar na escolha do próximo presidente social-democrata, universo eleitoral semelhante a outras eleições do partido em que houve disputa de liderança.

De acordo com a secretaria-geral do PSD, os militantes com quotas pagas até ao fecho dos cadernos eleitorais (15 de dezembro) e que poderão votar nas próximas eleições são 70.385.

Nas primeiras diretas do PSD, a 5 de maio de 2006, com o candidato único Marques Mendes, foram cerca de 55 mil os eleitores, tendo votado apenas perto de 20 mil.

Em 2007, com Marques Mendes contra Menezes, subiu o universo eleitoral — para 63.042 — e o número de votantes — 39.353.

Em 2008, com quatro candidatos à liderança (Manuela Ferreira Leite, Pedro Passos Coelho, Pedro Santana Lopes e Patinha Antão) sobe novamente o número de eleitores — 77.090 — e o de votantes — 45.592.

Dois anos depois, em 2010, voltam a ser quatro os candidatos à liderança (Pedro Passos Coelho, Paulo Rangel, José Pedro Aguiar-Branco e Castanheira Barros) e regista-se o recorde no número de eleitores — 78.094 — e no de votantes, que ficam nos 51.748.

Nas eleições diretas de 2012, 2014 e 2016 Passos Coelho foi sempre candidato único e o número de eleitores rondou os 50 mil e o número de votantes andou perto dos 20 mil militantes.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Operação Marquês

Porque é que só há uma Ana Gomes?

Rui Ramos
1.096

A sociedade portuguesa gera rotação no poder quando o dinheiro acaba, como vimos em 2002 ou em 2011. Mas já não gera alternativas, como constatámos em 2015 com o regresso dos colegas de Sócrates.

Rui Rio

Políticos à beira mar plantados

António Valle

Costa quer surgir, aos olhos dos portugueses, como o grande agregador moderado da política nacional. Rio quer parecer, aos olhos de Costa, o seu novo pequeno parceiro que apenas quer uns lugarzinhos.

PSD

O vice-primeiro-ministro Rui Rio

Luís Rosa
448

Rui Rio é mesmo o vice-primeiro-ministro ideal. É útil, diligente, prático e discreto. Em suma, Rio tem um valor político objetivamente superior a qualquer ministro e faz brilhar António Costa.

Impostos

Ode ao Portal das Finanças

José Miguel Pinto dos Santos

Pode ser que o Portal das Finanças tenha reduzido atritos entre cobradores e contribuintes, mas uma carga fiscal excessiva continuará sempre a gerar fuga aos impostos através de uma economia paralela

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site