Joshua Boyle, o homem que foi capturado pelos talibã e mantido em cativeiro durante cinco anos com a mulher, foi acusado de 15 crimes e detido, avança a BBC esta quarta-feira.

Boyle é acusado de oito crimes de violência, dois de agressão sexual, dois de confinamento ilegal, um por ter enganado as autoridades, outro por fazer ameaças de morte e um último por ter obrigado uma pessoa a ingerir uma “substância nociva”. “O senhor Boyle está inocente”, disse o advogado num email enviado à BBC.

Ele nunca teve problemas anteriormente. Nenhuma prova foi fornecida ainda — o que é típico nesta fase inicial. Esperamos receber as provas e defendê-lo contra essas acusações”, acrescentou ainda.

Os crimes terão acontecido já depois de Boyle, a mulher, Caitlan Coleman, e os três filhos — que tiveram enquanto foram mantidos em cativeiro — terem voltado do Afeganistão. De acordo com os media canadianos, Boyle terá cometido os 15 crimes entre 14 de outubro e 30 de dezembro.

O homem foi presente a tribunal esta quarta-feira — ainda que através de videochamada. Boyle vai continuar detido, pelo menos, até à próxima segunda-feira, data em que vai ser novamente ouvido em tribunal.

O casal foi raptado no Afeganistão em 2012, durante uma viagem de mochila às costas. Foram mantidos em cativeiro durante cinco anos — período durante o qual tiveram três filhos e, de acordo com Boyle, um quarto que terá sido morto pelos talibãs. Boyle contou ainda que a mulher foi violada durante essa altura. Foram libertados em outubro do ano passado.