Meteorologia

Oito barras marítimas fechadas devido à agitação

Oito barras marítimas do continente estã fechadas à navegação e outras três condicionadas devido à previsão de agitação marítima, de acordo com informação da Marinha Portuguesa.

ANTÓNIO ARAÚJO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Oito barras marítimas do continente estão fechadas à navegação e outras três condicionadas devido à previsão de agitação marítima esta quarta-feira, de acordo com informação disponível no ‘site’ da Marinha Portuguesa. Segundo a Marinha, as barras de Vila Praia de Âncora, Caminha, Esposende, Póvoa de Varzim, Vila do Conde, Douro, São Martinho do Porto e Ericeira estão fechadas à navegação devido à previsão de ondas até cinco metros.

As barras de Viana do Castelo e Aveiro estão fechadas apenas a embarcações de comprimento inferior a 30 e 11 metros, respetivamente. Também a barra da Figueira da Foz está condicionada a embarcações de comprimento inferior a 11 metros. Por causa da agitação marítima, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) emitiu aviso amarelo para os distritos de Viana do Castelo, Porto, Braga, Aveiro, Coimbra, Leiria e Lisboa.

De acordo com o Instituto, aqueles sete distritos vão estar sob aviso amarelo a partir da tarde de quarta-feira e até sábado devido à previsão de ondas de noroeste com 4 a 5 metros. O aviso amarelo é emitido pelo IPMA sempre que há situação de risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica.

A previsão de agravamento do estado do mar levou a Autoridade Marítima Portuguesa (AMN) a emitir recomendações à população. De acordo com a AMN, estão previstas ondas que podem chegar aos cinco metros de altura no mar, o que originará forte rebentação junto à costa oeste de Portugal Continental.

Por isso, a Autoridade Marítima recomenda à população que “durante toda a semana se abstenham da prática de passeios junto à costa e nas praias e de atividades lúdicas nas zonas expostas à agitação marítima, sendo essencial que assumam uma postura preventiva não se expondo desnecessariamente ao risco”.

A Autoridade Marítima aconselha também aos pescadores lúdicos de pesca à cana que evitem pescar junto a zonas de arriba nas frentes costeiras atingidas pela rebentação das ondas.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)