Montepio

Parlamento vai ouvir Governo e Santa Casa sobre Montepio

O provedor da Santa Casa e o ministro da Segurança Social vão ser ouvidos, com caráter de urgência, no Parlamento. Em causa está a eventual entrada desta instituição no capital do Montepio.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Os deputados que integram a comissão parlamentar de Trabalho e Segurança Social aprovaram esta quarta-feira as audições, com caráter de urgência, do ministro da Segurança Social, Vieira da Silva, e do provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Edmundo Martinho. Em causa está a eventual entrada desta instituição no capital do Montepio.

O pedido partiu do CDS-PP, que se propõe obter “todos os esclarecimentos sobre os contornos que envolvem a hipótese de a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa entrar no capital do Montepio Geral”.

Em declarações à agência Lusa, o deputado do CDS-PP António Carlos Monteiro afirmou que as audições de Vieira da Silva e Edmundo Martinho foram aprovadas “por unanimidade”. Cabe agora ao presidente da comissão parlamentar contactar ministro e provedor tendo em vista o agendamento.Ainda não há data para as audições agora aprovadas.

Os democratas-cristãos querem ver esclarecido, em concreto, qual o valor da operação, a participação a adquirir e se foi realizado um estudo de avaliação. Pretendem também saber de que gabinete partiu da ideia.

Segundo a imprensa, a Santa Casa da Misericórdia poderia entrar com 200 milhões de euros, tendo como contrapartida uma participação de dez por cento na Caixa Económica Montepio Geral. O que representaria uma valorização do banco em cerca de dois mil milhões de euros.

Recorde-se que a Associação Mutualista Montepio Geral, até agora a única acionista da Caixa Económica – em processo de alteração de estatutos e da própria gestão -, anunciou a entrada de Nuno Mota Pinto para a presidência do banco, ainda assegurada por Félix Morgado.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Montepio

Um Franciscano no Montepio

João Simeão
350

O franciscano vigário tem muito “saber de experiência feito” e é mestre do disfarce e da desculpabilização das suas incoerências: “não fica nada para mim, vai tudo para os meus frades, para a Ordem"…

Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)