Rádio Observador

CTT

PCP/Aveiro apela à luta das populações contra fecho de postos dos CTT no distrito

O PCP considera inaceitável o fecho de três lojas dos CTT no distrito de Aveiro. O partido apelou à luta das populações contra a decisão, que apelida de "injusta e lesiva" do interesse público.

M

Autor
  • Agência Lusa

O PCP considerou esta quarta-feira inaceitável o fecho de três balcões dos CTT no distrito de Aveiro, apelando às populações que não se resignem e lutem contra esta decisão “injusta e lesiva” do interesse público.

Em causa está o encerramento dos postos dos Correios de Paços Brandão (Santa Maria da Feira), Universidade (Aveiro) e Barrosinhas (Águeda).

Em comunicado, a Direção da Organização Regional de Aveiro (DORAV) do PCP refere que, a confirmar-se, o encerramento destes balcões terá “graves implicações” na vida de todos os utentes dos CTT, em particular, e das populações, em geral.

Os comunistas alertam que esta decisão irá provocar um aumento das deslocações dos utentes, algo que dizem ser “muito complexo”, sobretudo, no caso da população mais idosa, que depende dos Correios para o levantamento das suas pensões, em territórios onde é reconhecida a falta de transportes públicos de qualidade.

Outra das consequências desta decisão, segundo o PCP, será o “sufocar dos balcões remanescentes”, com o aumento dos tempos de espera e a degradação da qualidade do serviço, pese embora os esforços dos trabalhadores da empresa.

“Depois de anos de degradação do serviço postal, encerramento de balcões, soluções informais para substituição de balcões e distanciamento das populações, contribuindo para a destruição do prestígio de uma empresa pública com excelente reputação, este é mais um elemento a confirmar que o PCP tinha razão ao estar contra a privatização dos CTT”, refere a mesma nota.

Os comunistas defendem que o serviço postal de um país é “um elemento de proximidade e coesão territorial”, algo que, dizem, “só pode ser garantido por um serviço público”.

O PCP considera que o Governo e as autarquias de localidades onde se encontram os postos em causa devem pronunciar-se, exigindo que esta medida não vá avante, e apelam às populações que lutem contra esta decisão.

Por fim, o PCP insiste na necessidade da recuperação do controlo público dos CTT, criando as condições para impedir o que dizem ser uma “sangria”, garantindo o futuro da empresa e o cumprimento dos seus objetivos, não se sujeitando a “desvirtuações ou mistificações” que conduzam à sua destruição.

Os CTT confirmaram a 2 de janeiro o fecho de 22 lojas no âmbito do plano de reestruturação, que, segundo a Comissão de Trabalhadores dos Correios de Portugal, vai afetar 53 postos de trabalho.

A empresa referiu que o encerramento de 22 lojas situadas de norte a sul do país e nas ilhas “não coloca em causa o serviço de proximidade às populações e aos clientes, uma vez que existem outros pontos de acesso nas zonas respetivas que dão total garantia na resposta às necessidades face à procura existente”.

A decisão de encerramento motivou já críticas de autarquias e utentes.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)