Cinema

“Jogo da Alta Roda”: uma intrusa no mundo masculino do póquer milionário

O argumentista Aaron Sorkin estreia-se a realizar com a história real de Molly Bloom, a chamada "princesa do poker", interpretada por Jessica Chastain. Eurico de Barros dá-lhe três estrelas.

Aaron Sorkin é um argumentista com um fraquinho por personagens tiradas à vida real, que furam o sistema e instalam uma nova ordem: o congressista Charlie Wilson em “Jogos de Poder”, Mark Zuckerberg em “A Rede Social”, o “manager” de basebol Billy Beane em “Moneyball — Jogada de Risco”, Steve Jobs no filme homónimo. Na sua primeira fita a realizar, “Jogo da Alta Roda”, Sorkin segue este padrão, mas desta vez tem uma mulher como heroína. Ela é Molly Bloom (Jessica Chastain), uma ex-esquiadora olímpica e estudante brilhante, que aos 26 anos se tornou na “princesa do póquer” dos EUA, organizando, numa “terra de ninguém” legal, jogos particulares em Los Angeles e depois em Nova Iorque. Com paradas altíssimas e frequentados por milionários, empresários abastados, vedetas do desporto, músicos, realeza saudita e actores como Leonardo DiCaprio, Ben Affleck ou Tobey Maguire.

[Veja o “trailer” de “Jogo da Alta-Roda”]

Baseado no livro da própria Molly Bloom, “Jogo da Alta Roda”, é em simultâneo o retrato de uma mulher inteligente, ambiciosa, tenaz e híper-competitiva, que após ter abandonado o sonho de ser campeã olímpica de esqui devido a um acidente numa prova, decidiu impôr-se num nicho de actividade muito específico e exclusivo, totalmente masculino e perigosamente contíguo com o crime organizado; e uma história caracteristicamente americana de ambição, ganância e sucesso. Uma história que, no caso de Molly, acabou por azedar, já que foi presa pelo FBI porque havia membros da máfia russa que participavam nos jogos – alegadamente, sem o conhecimento dela –, viu o seu dinheiro ser todo apreendido, e tornou-se parte acusada numa grande investigação federal ao submundo novaiorquino.

[Veja a entrevista com Aaron Sorkin e Jessica Chastain]

Tal como Aaron Sorkin aqui a caracteriza, Molly Bloom é, chapadinha, uma daquelas figuras femininas desembaraçadas, afirmativas e ambiciosas das velhas comédias “screwball” dos anos 30 e 40, determinadas a pedir meças aos homens no seu próprio terreno, a mostrar que conseguem ser tão boas ou melhores do que eles, e a conquistarem uma posição cimeira num sistema social ou profissional que eles controlam e onde menina não entra, como no clube do Bolinha. Com a diferença de que em “Jogo da Alta Roda” não estamos num mundo de ficção, mas sim na realidade bruta, feia e injusta, bem personificada pelo primeiro patrão de Molly, o dono do Viper Room de Los Angeles, onde ela teve a sua iniciação aos jogos de póquer para os muito ricos e famosos.

[Veja a entrevista com Idris Elba]

O filme recria a ascensão e queda de Molly, dos dias de fama e poder em que tentava escrupulosamente não infringir nenhuma lei nos jogos de póquer onde se podiam ganhar ou perder milhões de dólares, até á queda em desgraça, quando, sem cheta nem amigos, contratou um advogado, Charley Jaffey (Idris Elba) para a safar da prisão. Sorkin está abertamente do lado da sua protagonista e frisa que apesar dos passos em falso e das provas de ingenuidade que deu, Molly mostrou carácter e ética, ao nunca divulgar aos media, no livro ou àqueles que a investigavam, para ganhar dinheiro ou como moeda de troca, o que sabia sobre as vidas particulares dos jogadores, que muitas vezes faziam dela confidente ou confessora. (Uma das personagens da fita, o Jogador X, interpretada por Michael Cera, é um compósito das estrelas de cinema “habitués” das jogatanas de Molly, embora se diga que muito baseada em Tobey Maguire. A ser verdade, o intérprete do Homem-Aranha não sai nada bem na fotografia).

[Veja a entrevista de Ellen DeGeneres com a verdadeira Molly Bloom]

Aaron Sorkin é um dos mais dotados, ginasticados e coloquiais dialoguistas de Hollywood. Provou-o sobejamente nos filmes antes citados e em séries, caso de “Os Homens do Presidente” ou “The Newsroom”. E volta a fazer gáudio desse talento em “Jogo da Alta Roda”, um filme dominado pelo diálogo, conduzido pela conversa, que tem o verbo como combustível, em que as personagens competem pela medalha de ouro da esgrima verbal. De tal forma, que apesar de Sorkin a doptar um modo de contar reminiscente dos mais febris filmes de Martin Scorsese, com uma narradora omnisciente e muita jiga-joga temporal, o cinema é demasiado serviçal do falatório. E não poucas vezes, ao invés de mostrar por imagens, o realizador conta através das palavras, estralejantes, efervescentes, torrenciais, tornando “Jogo da Alta Roda” muito “explicado”, a rondar a rádio filmada.

[Veja uma sequência do filme]

Quem chama um figo a essa dinâmica superabundância do verbo são os actores, principalmente Jessica Chastain. Ela conquista-nos para a sua Molly Bloom, puxando pela simpatia, pela garra e pela credibilidade da personagem, muito mais vítima das circunstâncias, de um excesso de confiança e de escolhas erradas, do que uma prevaricadora calculista e oportunista. Mesmo apesar das suas falhas e defeitos, mesmo quando a narração vai longe demais e lhe tira o pão da boca, e mesmo apesar de Chastain ser uma daquelas actrizes que põem alguma distância entre elas e nós e com a qual a câmara não tem necessariamente um romance imediato. Em “Jogo da Alta Roda” a parada é muito alta, mas ela não faz “bluff” e põe o jogo todo na mesa.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)