Spotify

Spotify vai para a bolsa, mas não vai haver “roadshow”

Ao contrário de uma dispersão em bolsa convencional, em que uma empresa vende ações a novos investidores, o Spotify optou por uma cotação direta das ações que já foram vendidas de forma privada.

AFP/Getty Images

A empresa dona do Spotify já entregou os documentos, de forma confidencial, para cotar o capital na bolsa de Nova Iorque. Mas, ao contrário de uma dispersão em bolsa convencional, em que uma empresa vende ações a novos investidores, o Spotify optou por uma cotação direta das ações que já foram vendidas de forma privada, para que esses investidores possam negociar as ações existentes.

A notícia, há muito esperada, foi avançada pelo site Axios e surgiu horas depois de ter sido revelado que a empresa tinha sido processada pela Wixen Music Publishing, uma editora responsável por licenças de artistas como Tom Petty, Neil Young, The Beach Boys, Missy Elliott ou Janis Joplin. A editora quer ser indemnizada em 1,6 mil milhões de dólares.

A empresa, que tem sede em Estocolmo, na Suécia, vai optar por um método de dispersão bolsista mais arriscado, já que não existe o “trabalho de casa” feito pelos bancos de investimento numa operação feita nos moldes tradicionais. Por regra, os bancos são contratados para fazer “roadshows” junto de potenciais (novos) investidores, para dar a conhecer a empresa e estimular o interesse pelo investimento. Neste caso, esse trabalho não existe e o sucesso da operação depende, exclusivamente da procura que existe entre os investidores.

A tarefa é ambiciosa, já que o objetivo é, no mínimo, corresponder à avaliação que tem sido feita à empresa nas rondas privadas de investimento — que, proporcionalmente, avaliavam a empresa em 19 mil milhões de dólares no final do ano passado, segundo a Reuters. O Spotify tem 140 milhões de utilizadores, quase metade dos quais pagantes.

O objetivo da empresa é avançar com a operação neste primeiro trimestre de 2018, mas esta não é uma informação oficial já que a empresa não tornou públicos os documentos entregues aos reguladores e, por outro lado, não está a confirmar estes planos, quando contactados por jornalistas da especialidade.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
História

Angola é nossa! /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
254

Angola é nossa porque é da nossa língua, como nossa é também porque, na sua imensa maioria, é católica.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)