A China prometeu esta sexta-feira “lidar seriamente” com infratores das sanções impostas pelas Nações Unidas à Coreia do Norte, depois de um jornal sul-coreano ter avançado que barcos chineses registados além-fronteiras estão a fornecer petróleo a Pyongyang.

O porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros Geng Shuang disse, no entanto, que o Governo de Pequim desconhece aquelas operações.

O jornal Chosun Ilbo avançou esta semana que embarcações detidas por chineses, mas que exibem bandeiras do Panamá, Belize e outros países, são suspeitos de infringir as sanções impostas ao regime de Kim Jong-un.

O Conselho de Segurança da ONU aprovou, em setembro passado, novas sanções visando travar o programa nuclear e de mísseis balísticos norte-coreano.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

As autoridades sul-coreanas apreenderam, entretanto, dois dos barcos suspeitos.

“Se a investigação confirmar a existência de infrações das resoluções do Conselho de Segurança, a China lidará seriamente com elas, segundo as leis e os regulamentos”, afirmou Geng, em conferência de imprensa.

A China é o principal aliado diplomático e maior parceiro comercial da Coreia do Norte. Os dois países partilham ainda uma fronteira com cerca de 1.400 quilómetros. A Coreia do Norte depende quase inteiramente de Pequim para obter petróleo.

A China tem, no entanto, votado a favor das sanções impostas pela ONU, e que incluem a redução do fornecimento de crude.

No domingo, as autoridades sul-coreanas anunciaram que um barco com a bandeira do Panamá, designado KOTI, foi apreendido no porto de Pyeongtaek por suspeitas de atividades relacionadas com a Coreia do Norte.

O jornal Chosun Ilbo avançou, entretanto, que o barco pertence a uma empresa de Dalian, cidade portuária do nordeste da China.

Um outro barco suspeito de transportar 600 toneladas de produtos petrolíferos refinados, chamado Lighthouse Winmore, e que arvora a bandeira da região especial administrativa chinesa de Hong Kong, foi arrestado em novembro, no porto sul-coreano de Yeosu.

O jornal avança que seis outros barcos que os Estados Unidos acusam de violar as sanções são detidos por entidades chinesas, mas estão registados em outros países.