Rádio Observador

Crime

Polícia recupera cada vez menos carros roubados porque ladrões estão mais sofisticados

411

Em Portugal apenas uma em cada três viaturas roubadas são recuperadas, mas o fenómeno afeta toda a Europa. Criminosos roubam e vendem carros com mais organização e sofisticação do que nunca.

JOSE SENA GOULAO/LUSA

O número de carros roubados que as autoridades portuguesas conseguem recuperar é cada vez menor, revela o Jornal de Notícias, graças a um aumento da ‘profissionalização’ do furto e tráfico de automóveis por parte de grupos de crime organizado. Segundo o JN, em Portugal apenas uma em cada três viaturas roubadas são recuperadas pela GNR e PSP, mas o fenómeno está a acontecer por toda a Europa.

A sofisticação de técnicas de roubo por parte das organizações criminosas, que viciam documentos, números de chassis e usam tecnologias facilmente acessíveis online para ultrapassar as seguranças da viatura, está a preocupar a Europol, o Serviço Europeu de Polícia. As máfias usam chaves virgens, aparelhos de codificação de chaves que reprogramam os códigos das centralinas para pôr o carro a andar e ‘jammers’ que bloqueiam sinais de comunicação que permitem localizar a viatura. Alguns roubos são feitos por encomenda, pelo que as organizações criminosas chegam mesmo a fazer ‘homejacking’, ou seja, a roubar os carros dentro da casa dos donos. Técnicas como o ‘carjacking’ ou o uso de reboque continuam a ser utilizadas.

Estes carros roubados passam “pelo Estreito de Gibraltar e por portos portugueses, espanhóis e de outros países europeus“, disse ao JN o presidente do Colégio Automóvel da Câmara Nacional de Peritos Reguladores (CNPR), Rui de Almeida. Segundo o dirigente, os carros que são roubados em Portugal “têm como destino o mercado interno”, principalmente para “desmantelamento e, possivelmente em menor escala, para viciação e revenda“, a Europa de Leste, para onde vão “geralmente veículos inteiros, sobretudo alemães de gama média-alta e alta”, e África, para onde vão “por norma veículos inteiros, com relevo para as carrinhas e os todo-o-terreno”.

Rui de Almeida refere que algumas marcas “têm desenvolvido algoritmos mais difíceis de contornar”, mas que os sistemas de proteção de outras “são tão frágeis que o furto pode ser consumado em menos de um minuto”. Veículos mais antigos, diz o presidente da CNPR, são mais vulneráveis porque “não podem ser reprogramados”.

O número de furtos de viaturas tem permanecido estável nos últimos anos, mas cada vez se recuperam menos. Nos últimos cinco anos, a PSP e a GNR registaram 59.042 viaturas roubadas, das quais apenas se conseguiram recuperar 19.603. O ano passado só foram recuperadas, até outubro, 2.987 das 8.693 viaturas que foram roubadas. A região do país onde ocorrem mais furtos é no Porto, tendo-se registado 15.424 roubos nos últimos cinco anos. Em segundo lugar está Lisboa, com 15.009, seguida de Setúbal, com 5.941.

A diminuição dos números de recuperação indica que cada vez mais as viaturas roubadas são vendidas em peças, ou então comercializadas em stands de automóveis após a falsificação de documentação e números de chassis.

Para dificultar o roubo de viaturas, o presidente da CNPR aconselha a montagem de um sistema de corte de energia que seja difícil de detetar, para que o ladrão perca tempo a procurar “o motivo do não funcionamento do dispositivo descodificador” e assim aumente o risco de ser apanhado enquanto está a realizar o assalto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)