Santa Casa de Lisboa

Vieira da Silva empurra audição sobre Santa Casa/Montepio para não se meter com PSD

Apoiantes de Rio queriam ouvir ministro, já para a semana, sobre o negócio da Santa Casa/Montepio, que envolve Santana Lopes. Vieira da Silva não quis e empurrou data para depois das eleições do PSD.

Ida de Vieira da Silva ao Parlamento está a suscitar polémica

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Os deputados da comissão de Trabalho e Segurança Social aprovaram, na última quarta-feira, um requerimento do CDS para ouvir o atual provedor da Santa Casa da Misericórdia, e o ministro da Segurança Social, Vieira da Silva. A ideia era a de os dois responsáveis prestarem “todos os esclarecimentos sobre os contornos que envolvem a hipótese de a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa entrar no capital do Montepio Geral”. O caráter do requerimento era urgente: o provedor e o ministro deviam ser ouvidos o mais cedo possível, consoante as agendas o permitissem. Acontece que o cedo virou tarde: o ministro ficou “desconfortável” por tocar num tema que pode ser sensível para Santana Lopes nas vésperas das eleições internas do PSD e não se quis meter, empurrando a audição para a semana seguinte.

Problema 1? A esquerda sugeriu que o ministro apenas fosse ouvido sobre esse tema no dia 17 de janeiro, sob o pretexto de já estar marcada para esse dia uma audição ordinária com aquele mesmo ministro. Ou seja, podia-se juntar o útil ao agradável e arrumar os dois temas numa mesma deslocação ao Parlamento. Problema 2? O presidente da comissão de Trabalho, Feliciano Barreiras Duarte, é um dos mais próximos apoiantes de Rui Rio na corrida contra Santana Lopes à liderança do PSD, e quis levar a sério o termo “caráter urgente” do requerimento: sugeriu a ida do ministro ao Parlamento já para a semana, dia 11. Problema 3? As eleições internas do PSD, que opõem Rui Rio a Pedro Santana Lopes, estão marcadas para o próximo dia 13. Então, deve o ministro ir ao Parlamento falar sobre um tema que pode ser delicado para o ex-provedor e atual candidato à liderança do PSD antes, ou depois, das eleições do PSD?

A decisão de Vieira da Silva recaiu para depois. No rescaldo de uma reunião da comissão de Trabalho onde os ânimos se exaltaram, Feliciano Barreiras Duarte acabou por ficar com o ónus de propor uma data ao gabinete do ministro Vieira da Silva — e propôs o dia 11 de janeiro. Isto porque o requerimento do CDS era claro quanto à necessidade de ouvir primeiro o atual provedor da Santa Casa, Edmundo Martinho, e só depois o ministro. Edmundo Martinho estaria fora do país e o mais cedo que podia era dia 10 de janeiro.

De acordo com Feliciano Barreiras Duarte, as diligências foram tomadas na quarta-feira à tarde e “ontem”, quinta-feira, Edmundo Martinho mostrou disponibilidade para comparecer perante os deputados no dia 10. O ministro, contudo, foi mais demorado a responder, e esperou até à tarde desta sexta-feira para dizer que não tinha disponibilidade para comparecer durante a semana que vem. Só para a semana seguinte, dia 16 ou 17. O mesmo foi confirmado ao Observador pela secretaria de Estado dos Assuntos Parlamentares: o ministro limitou-se a mostrar indisponibilidade para comparecer na próxima semana, tendo deixado o resto ao critério dos deputados.

Ministro “desconfortável” por causa das eleições no PSD

Ao que o Observador apurou, contudo, as razões da indisponibilidade do ministro pouco terão tido a ver com questões de agenda. O ministro terá ficado “desconfortável” por ir mexer num assunto que envolve Santana Lopes na semana mais delicada da corrida à liderança do PSD, e “não se quis meter”. “O ministro apercebeu-se do desconforto de algumas pessoas do PSD por vir a ser ouvido sobre este tema em vésperas de eleições do PSD“, ouviu o Observador de uma fonte governamental.

Em causa está o facto de haver uma contradição sobre quem quis em primeiro lugar fazer aquele negócio, se a Santa Casa, se o Governo. António Costa disse no último debate quinzenal que foi a Santa Casa (na altura dirigida por Santana Lopes) que mostrou interesse em participar no sistema financeiro, tendo depois o Governo e o Banco de Portugal achado que “não havia obstáculos a essa participação”, que até era do interesse de ambas as partes. Costa disse mais: o Governo participou no tema mas “sem dar instruções”. Dias depois, o jornal Expresso fazia manchete com a notícia de que Vieira da Silva é que tinha sido o “pivô” da negociação, e que o primeiro passo para a entrada da instituição social no capital da caixa económica tinha vindo do Governo. Daí o CDS ter apresentado um requerimento urgente para ouvir o ministro.

Só que a urgência esmoreceu durante a reunião da comissão onde a audição foi aprovada, e o presidente da comissão, que apoia Rui Rio, não gostou. “Mas que grande Bloco Central que hoje estamos aqui a ter”, começou por exclamar Feliciano Barreiras Duarte depois de a deputada do PCP, Rita Rato, e o deputado do BE, José Soeiro, terem introduzido a ideia de passar a audição para o dia 17, altura em que o ministro já teria de ir de qualquer forma ao Parlamento para uma audição regimental. Para Feliciano Barreiras Duarte, a esquerda e a direita (pelo menos a direita que apoia Santana Lopes) estavam a unir-se para adiar a audição do ministro. Tudo para não reavivar o tema em vésperas de eleições internas. Ou seja, tudo para poupar Santana Lopes.

Vieira da Silva está a tentar “empurrar” a audição, acusa o PSD

Não é isso que diz a deputada do PSD Joana Barata Lopes, que tem assento na comissão de Trabalho e que apoia Pedro Santana Lopes. “Não há nenhum engodo com isso, se o caráter do requerimento é urgente então o ministro deve ir o mais cedo possível”, diz ao Observador, acrescentando que o ministro está apenas a “tentar empurrar a audição sobre o Montepio para cima da audição regimental, para passar despercebida”.

Também o deputado do CDS presente naquela comissão, e autor do requerimento, desvaloriza. “No nosso entender a audição devia realizar-se o quanto antes, mas tudo depende da disponibilidade do ministro, por isso tem que haver razoabilidade”, diz ao Observador Filipe Anacoreta Correia.

A verdade é que nenhum dos deputados presentes no dia da aprovação da audição se bateu para que esta se realizasse o quanto antes — e antes das eleições do dia 13. Filipe Anacoreta começou por ficar em silêncio depois de Feliciano Barreiras Duarte ter levantado a voz, e só depois de a deputada do PSD Mercês Borges ter dito que cabia ao CDS, enquanto proponente, decidir o grau de urgência da audição, é que Filipe Anacoreta Correia abriu a porta a deslizes de agenda: “o ministro tem uma grelha própria, a urgência aponta para a vinda dos visados o mais cedo possível, mas também entendemos que por motivos de agenda isso nem sempre seja possível”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)