PSD

Santana responde a Rio sobre Santa Casa: “Inventem os assuntos que quiserem”

226

Em resposta a Rio, Santana diz que entrada da Santa Casa no setor financeiro foi ponderada "com todos os poderes do Estado", mas abandonada. E sugere a adversário que "trabalhe" em vez de inventar.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Pedro Santana Lopes respondeu ao repto do adversário Rui Rio para que explicasse “tintim por tintim” o que aconteceu relativamente à possível entrada da Santa Casa da Misericórdia no sector financeiro. “Inventem os assuntos que quiserem agora”, disse o candidato à liderança do PSD, que sublinhou ter esclarecido o assunto na altura. “Trabalhem, apresentem ideias e propostas”, sugeriu antes ao adversário.

“A Santa Casa não tomou decisão nenhuma, estava à espera de resultados de auditorias. Várias hipóteses foram colocadas em cima da mesa, a decisão foi ‘não'”, disse Santana aos jornalistas este domingo, explicando que não houve “participações estratégias”, mas que foram estudadas. “Foram ponderadas com todos os poderes do Estado — não falo só do Governo — aos mais variados níveis”, declarou, dando a entender que a presidência da República também poderá ter discutido o tema.

O ministro do Trabalho e da Segurança Social, Vieira da Silva, tinha dito em entrevista à Antena 1 que a “ideia de que a Santa Casa podia ter um papel” no setor financeiro tinha sido “avançada pelo dr. Santana Lopes”, embora admitindo que a sugestão concreta do Montepio foi avançada pelo Governo.

“Peço explicações tintim por tintim”, exige Rio

Este sábado, Rui Rio aproveitou o momento para exigir uma clarificação sobre o tema a Santana. “Não faço ataques pessoais, mas peço explicações ‘tintim por tintim’ daquilo que aconteceu”, afirmou, ao discursar em Viseu, numa sessão com militantes.

Rui Rio lamentou ter-se sabido nesse dia que, “em plena crise bancária, o então provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (Santana Lopes) escreveu ao Governo disponibilizando-se para pôr dinheiro da Santa Casa da Misericórdia nos bancos para ajudar a limpar as imparidades”. “É algo que vos digo com sinceridade que não posso concordar”, frisou.

Rui Rio disse ser “muito crítico da forma como a banca foi gerida em Portugal durante anos e anos, com erros graves, os maiores dos quais no grupo Espírito Santo”.

“E se eu sou crítico à forma como tivemos de usar dinheiro público dos nossos impostos para tapar erros cometidos na banca, menos posso aceitar que aquela parte do dinheiro público que é destinada ao combate à pobreza, a fazer misericórdia, esteja disponível para ir meter no sistema bancário”, acrescentou.

Na sua opinião, “no sistema bancário, a diferença entre dizer que se quer meter no Novo Banco ou que se quer meter no Montepio” não é muita. “O problema do Montepio, as imparidades do Montepio, não decorrem de qualquer ação social, decorrem na mesma de crédito concedido a quem não se deveria ter concedido crédito, a começar pelo próprio grupo Espírito Santo”, afirmou.

Em declarações aos jornalistas, Rui Rio disse que Santana Lopes, “em vez de procurar denegrir o adversário” e até o próprio cargo a que se está a candidatar, deve é dar explicações sobre este assunto.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos
267

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)