Várias centenas de carros estiveram 18 horas bloqueados na autoestrada AP-6, às portas de Segovia (cerca de 85 quilómetros a norte de Madrid), perante a incapacidade de resposta dos limpa-neves. O nevão que caiu sobre a zona central do território espanhol coincidiu com a viagem de milhares de espanhóis para a celebração do dia de Reis e gerou o caos em algumas estradas no país. Num momento em que os condutores já receberam o apoio das autoridades, o cenário para as próximas horas é de uma melhoria das condições do tempo.

As fotografias e vídeos foram enchendo as redes sociais a partir das últimas horas de sábado, com muita indignação à mistura. “Autoestradas privatizadas construídas com o dinheiro público, quando falham é o Exército quem acode… mas quando é preciso cobrar portagens são as empresas privadas”, escreve um dos espanhóis apanhados pelo nevão, com a hashtag #nevadas (nevão) a reunir dezenas de publicações no twitter.

A Unidade de Militar de Emergência foi um dos organismos chamados ao terreno para desimpedir as estradas ocupadas por centenas de carros incapazes de libertar-se da neve — muitos dos quais, é possível ver nas imagens publicadas, não estavam equipados com correntes de ferro. Em plena época festiva, estiveram 250 profissionais e 100 veículos a trabalhar para resolver o impasse.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ao referir-se ao caos nas estradas espanholas, o ministro das Obras Públicas anunciou a abertura de um inquérito à Iberpistas, empresa responsável pela gestão daqueles equipamentos, para avaliar a resposta à situação de emergência. Íñigo de la Serna também garantiu que estará no congresso para prestar esclarecimentos sobre a situação, mas aproveitou para apontar parte da responsabilidade aos próprios condutores.

A falta de equipamento dos condutores foi, precisamente, o argumento que a Direção-geral de Tráfego apontou para assinalar a responsabilidade de quem saiu a rua sem acautelar as condições do tempo. “Sabia-se com perfeitamente e com antecedência que o nevão ia cair”, disse o diretor-geral do organismo público, Gregorio Serrano. “Muitos carros viajavam sem correntes”, concretizou.

O argumento não retirou pressão de cima do Governo. Também no Twitter, o secretário-geral do Partido Socialista espanhol assinalou a “falta de coordenação dos membros do Governo de Mariano Rajoy, comunidade de Madrid e da comunidade de Castela e Leão”.

Um comentário no mesmo sentido já tinha sido publicado na conta do PSOE, em que se exigia “responsabilidades” pelo caos que se viveu em algumas estradas do país este fim-de-semana. A alimentar o coro de críticas, a bancada parlamentar do Cuidadanos exigiu a presença — entretanto, já assegurada — dos membros do Governo responsáveis pelas Obras Públicas e pela Administração Interna. O partido quer explicações para o caos registado nalgumas estradas e autoestradas, especialmente a AP-6, devido ao temporal de neve.

A meio da tarde deste domingo, a situação começava, finalmente, a normalizar. A AP-6 tinha sido desbloqueada e a previsão do tempo para as horas seguintes anunciava uma acalmia das condições atmosféricas.