Rádio Observador

Mário Centeno

A PGR está a “acompanhar a situação” dos lugares pedidos por Mário Centeno para a Luz

158

Em resposta ao Observador, a Procuradoria-Geral da República diz que "até ao momento", não há "qualquer inquérito relacionado com a matéria", mas o Ministério Público está a seguir o caso.

ANDRÉ KOSTERS/LUSA

A Procuradoria-Geral da República está a “acompanhar a situação” dos lugares pedidos por Mário Centeno para assistir ao Benfica-FC Porto da época passada na tribuna presidencial do Estádio da Luz. Em resposta ao Observador, a PGR diz que “até ao momento”, não há “qualquer inquérito relacionado com a matéria”, mas o Ministério Público está a seguir o caso “com vista a decidir se há, ou não, qualquer procedimento a desencadear no âmbito das respetivas competências”.

O pedido feito pelo assessor diplomático do ministro das Finanças ao marketing do Benfica para que Centeno pudesse assistir ao clássico com o filho num lugar VIP do estádio viola o código de conduta criado pelo Governo logo a seguir ao Galpgate. Um caso que acabou com a saída de três ex-secretários do executivo, dias antes de serem constituídos arguidos e quase um ano depois da polémica: a das viagens a França para assistirem aos jogos de Portugal no Europeu.

Centeno justificou o pedido de lugares com “questões de segurança” (o que fontes da PSP contactadas pelo Observador dizem não ser regra e fugir ao protocolo) e António Costa disse apenas que o seu ministro teria “boas razões” para ter ido assistir ao jogo. Esta segunda-feira o ministro das Finanças e presidente do Eurogrupo voltou a garantir que cumpriu “escrupulosamente” o código de conduta (algo de que a maioria dos juristas contactados pelo Observador discorda).

Também esta segunda feira, o Correio da Manhã noticiou que a PJ está a investigar uma isenção de IMI a uma empresa da família de Luís Filipe Vieira, o presidente do Benfica. O ministério das Finanças emitiu um comunicado a dizer que não teve qualquer interferência no processo, até porque essa isenção é dada pela Câmara de Lisboa, mas não negou a investigação.

A PJ estará também a investigar o caso do pedido de lugares.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)