Governo

Merkel e Schulz prometem “nova política”. Conversações formar governo na Alemanha

Chanceler alemã Angela Merkel e o chefe dos sociais-democratas Martin Schulz prometeram "uma nova política" na Alemanha, no início das negociações para formar governo e terminar com impasse político.

OMER MESSINGER/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A chanceler alemã Angela Merkel e o chefe dos sociais-democratas Martin Schulz prometeram esta segunda-feira “uma nova política” na Alemanha, no início das negociações para formar governo e terminar com o impasse político.

“Não podemos simplesmente continuar como antes, os tempos mudaram e esta nova época apela a uma nova política”, declarou no final do primeiro dia de discussões em Berlim um responsável do Partido social-democrata (SPD), Lars Klingbeil.

Os contactos entre os conservadores de Merkel (CDU), os seus aliados bávaros da CSU e o SPD para a eventual formação de um governo de coligação devem prolongar-se até quinta-feira, após as três formações terem manifestado compromisso por “um novo estilo político” no país, e após a emergência da extrema-direita nas eleições de setembro.

O resultado das últimas eleições legislativas, assinaladas por um recuo dos partidos tradicionais, não permitiu a formação de uma maioria clara no Bundestag (parlamento).

Após uma vitória pouco convincente, a chanceler Angela Merkel, no poder há 12 anos, e a sua área democrata-cristã tentaram de início uma aliança com os liberais e os ecologistas, mas sem sucesso. Na presente situação, Merkel apenas tem a possibilidade de garantir uma coligação maioritária com os sociais-democratas do SPD, com quem já governou no anterior executivo (2013-2017), e que continua a gerir os assuntos correntes do país.

As negociações preveem-se particularmente difíceis, em particular devido às divergências sobre a política migratória ou a Europa entre a CSU, mais à direita que a CDU de Merkel, e o SPD.

A CSU está envolvida numa campanha eleitoral para o decisivo escrutínio regional de outubro no seu bastião bávaro, onde a sua tradicional maioria absoluta está em risco devido ao crescimento eleitoral do partido de extrema-direita Alternativa para a Alemanha (AfD).

Deste modo, os dirigentes conservadores bávaros têm multiplicado as exigências para endurecer a política de acolhimentos os requerentes de asilo. Pelo contrário, o SPD defende uma abordagem mais moderada na perspetiva do reagrupamento familiar.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

PSD, a versão diesel do PS

João Cândido da Silva

Em política, a coerência tem um valor relativo, sujeito às mudanças de conjuntura. Se o PSD parece a versão diesel do PS, Pedro Passos Coelho e os seus apoiantes não podem sacudir a água do capote.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)