O antigo conselheiro estratégico de Donald Trump, Stephen Bannon, abandonou o portal noticioso Breitbart News, confirmou esta terça-feira a empresa.

“Estou orgulhoso do que a equipa do Breitbart alcançou num tão curto período de tempo, ao construir uma plataforma de notícias de classe mundial”, disse Bannon, citado num comunicado do próprio site.

O presidente daquela publicação, Larry Solov, lembrou que Bannon é uma “parte valiosa” do “legado” do Breitbart, mostrando-se “grato pelos seus contributos e pelo que ele ajudou a conquistar”.

A saída de Bannon da polémica publicação, considerada um veículo para as ideias de extrema-direita da chamada alt-right, acontece dias depois de serem reveladas, no livro Fire and Fury: Inside the Trump White House, afirmações em que o antigo estratega de Trump acusa o filho do presidente norte-americano de ter sido “antipatriótico” e de ter “atraiçoado” a nação, na sequência da reunião que Trump Jr. teve com uma advogada russa durante a campanha eleitoral.

Donald Trump reagiu pouco depois às declarações de Bannon, acusando-o de ter “ficado doido” quando perdeu o emprego (Trump demitiu-o em agosto).

Após ter saído da Casa Branca, Stephen Bannon regressou ao Breitbart. Na altura, o site exibiu uma mensagem dizendo que Bannon regressava “a casa” — o empresário foi diretor da publicação depois da morte do seu fundador, Andrew Breitbart.