Exportações

Exportações crescem 11,9% em novembro

As exportações de bens abrandaram ligeiramente em novembro, com o aumento dos negócios com a União Europeia a compensar perdas com mercados como Angola. Importações abrandaram significativamente.

UTA KNELLER/EPA

As exportações de bens abrandaram em novembro, mas continuaram a crescer a um ritmo superior a 10%, com o mercado europeu a continuar a compensar as quedas para alguns mercados, como voltou a ser o caso de Angola, de acordo com os dados publicados esta terça-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Abrandamento das importações permite que o agravamento do défice comercial seja residual.

Espanha, França e Alemanha – os três principais mercados para as exportações portuguesas – foi para onde se verificaram os maiores aumentos de exportações portuguesas (10,4%, 18,9% e 17,9%, respetivamente).

Em sentido contrário, estiveram novamente Angola, para as onde as exportações portuguesas continuam a enfrentar dificuldades. Segundo o INE, as exportações portuguesas para Angola estavam a cair 17,5% em novembro, quando comparado com novembro de 2016. Se as contas forem feitas aos últimos três meses até novembro, o resultado continua a ser negativo, com uma queda de 5,8%, apesar de alguns meses de recuperação face às quedas sucessivas que se verificaram no passado recente.

Por outro lado, se as exportações abrandaram ligeiramente, o ritmo de crescimento das importações caiu significativamente. Em outubro as importações estavam a crescer 21,1% face ao mesmo mês de 2016. Em novembro o aumento das exportações caiu para 10,4%. Os números mensais mostram que houve mesmo uma queda nas importações entre outubro e novembro.

As exportações para Marrocos e Angola registaram quebras de 22,9% e 17,5%, respetivamente, em novembro do ano passado face ao mês homólogo de 2016, enquanto as importações que mais diminuíram foram do Reino Unido e China, revela o INE. Esta queda permitiu que o défice da balança comercial, ainda que tenha sofrido um agravamento, aumentasse de forma residual: apenas 17 milhões de euros.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nmartins@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)