A resposta da Intel ao Spectre e Meltdown, que na última semana deixaram em polvorosa a indústria tecnológica, era esperada esta semana com alguma expectativa. Brian Krzanich, o presidente executivo da empresa envolvido duplamente na polémica por ter vendido ações da empresa sabendo da existência do problema, subiu a palco e disse o que já se sabia: “Vamos trabalhar para minimizar o impacto do problema”. Quanto às ações? Nada.

“Quero agradecer a indústria tecnológica ter-se juntado para resolver este problema de segurança comum a todos. A segurança é a nossa primeira prioridade na Intel e na indústria”, disse o presidente executivo da Intel antes de qualquer outro anúncio na apresentação da Intel na CES.

Foi num evento esta segunda-feira, em Las Vegas, por se estar a iniciar esta terça-feira a CES, a maior feira de tecnologia do mundo, que Krzanich subiu a palco. Segundo o executivo, com o lançamento de atualizações de software para este problema dos processadores, “mais de 90%” dos dispositivos afetados com o Meltdown, o erro que afeta maioritariamente os processadores da Intel, ficarão protegidos. Quanto aos computadores poderem ficar mais lentos com as atualizações, Krzanich disse que “se vai continuar a trabalhar com a indústria para minimizar o impacto”.

O resto da apresentação foi utilizado para divulgar o trabalho e apostas da empresa para este ano, principalmente no mercado da condução autónoma. A Intel está também a criar veículos que andam sozinhos, como já havia anunciado na Web Summit, em Lisboa.