As baixas taxas de juro da dívida, a subida dos preços das ações e o baixo custo do franco permitiram ao banco central da Suíça conseguir um lucro histórico no ano passado, de cerca de 54 mil milhões de francos suíços, o equivalente a 8% do PIB suíço – e quase 25% do PIB português.

Depois de anos a queimar reservas para combater a crise económica e financeira que afetou o mundo desenvolvido, o momento virou e o Banco Nacional da Suíça voltou a ver os resultados da gestão que tem feito dos seus ativos.

Segundo o Wall Street Journal, a instituição irá anunciar esta terça-feira um lucro de 54 mil milhões de francos, o equivalente a 46,1 mil milhões de euros à taxa de câmbio atual, uma soma extraordinária considerando a dimensão da economia do país – é o equivalente a 8% da riqueza produzida por toda a economia suíça durante um ano.

Isto seria o equivalente ao Banco de Portugal entregar ao Estado mais de 15 mil milhões de euros em dividendos, ao contrário dos atuais 352 milhões, ou seja, 43 vezes mais.

As baixas taxas de juro nos mercados de dívida mantiveram estáveis os preços da dívida que o banco central detém, a que se juntou a valorização dos preços das ações e um franco suíço pouco valorizado, que fez com os ativos detidos em moeda estrangeira – uma boa parte do seu balanço – saíssem valorizados.