A polémica rebentou na última segunda-feira, quando a H&M foi acusada de racismo nas redes sociais por ter vestido um modelo negro com uma camisola com a mensagem: “O macaco mais fixe da selva”. No mesmo dia, o cantor The Weeknd, que mantém uma colaboração com a multinacional sueca, comentou o caso no Twitter, dizendo-se “profundamente ofendido” com a opção da marca.

“Esta manhã, acordei chocado e envergonhado com esta foto. Estou profundamente ofendido e não nunca mais vou trabalhar com a H&M…”, escreveu o cantor canadiano. Em 2017, The Weeknd trabalhou duas vezes com a H&M, como curador na campanha “Spring Icons” e como criador de uma pequena coleção de 18 peças no outono.

H&M acusada de racismo por foto de criança negra a usar camisola com palavra “macaco”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

No mesmo dia, a H&M reagiu às críticas de racismo e enviou um comunicado onde confirma a retirada da imagem do site bem como da própria camisola verde das lojas do mundo inteiro. No Twitter, a marca sueca diz compreender a vaga de indignação em torno da imagem. “Nós, que trabalhamos na H&M, só podemos concordar”, completa o comunicado. Lamentamos que a fotografia tenha sido tirado e estamos arrependidos de a ter publicado”, prosseguem a declarações oficiais da marca na rede social.

“É óbvio que os nossos procedimentos não foram devidamente seguidos […] vamos investigar porque é que isto aconteceu para evitar que volte a acontecer”, afirma a H&M. Parece que, para The Weeknd, este pedido de desculpas não valeu de grande coisa. Não haverá mais coleções desenhadas ou curadas pelo cantor.

Artigo atualizado às 16h19 de 9 de janeiro.