Rádio Observador

Assédio Sexual

“Violação é crime. Tentar seduzir alguém não é”. 100 mulheres, entre elas Catherine Deneuve, escrevem contra #metoo

14.615

O #metoo é descrito como uma "febre de enviar «porcos» para o matadouro". 100 mulheres lamentam os homens que foram "obrigados a demitir-se" por terem "tocado num joelho" ou "roubado um beijo".

VALERY HACHE/AFP/Getty Images

“A violação é um crime. Mas tentar seduzir alguém insistentemente ou de forma desajeitada não é, nem o cavalheirismo é uma agressão machista”. Assim começa a carta — escrita por 100 mulheres, incluindo as atrizes Catherine Deneuve e Ingrid Caven e a escritora Catherine Millet — publicada no jornal francês Le Monde, que defende, logo no título, que os homens devem ter a “liberdade de importunar, indispensável à liberdade sexual”.

Esta onda de acusações é, para as 100 mulheres, uma “febre para enviar «porcos» para o matadouro”. Em França, a campanha chamou-se #BalanceTonPorc. As autoras lamentam os homens denunciados não tenham tido “oportunidade de responder ou se defenderem”.

Os homens foram punidos, obrigados a demitir-se, quando tudo o que eles fizeram foi tocar o joelho de alguém, tentar roubar um beijo, falar sobre coisas «íntimas» num jantar de negócios ou enviar mensagens sexualmente explícitas para uma mulher cuja atração era recíproca”, pode ler-se na carta.

É uma carta contra o #metoo — um movimento que denunciou casos de assédio sexual e violação que foi considerado a figura do ano 2017 da revista Time. Ainda assim, as autoras da carta reconhecem que o caso de Harvey Weinstein desencadeou uma onda de “consciência legítima da violência sexual contra as mulheres, particularmente no local de trabalho, onde alguns homens abusam do poder”.

“Como mulheres, não nos reconhecemos neste feminismo, que além de denunciar o abuso de poder assume um ódio aos homens e à sexualidade“, escrevem as 100 mulheres, acrescentando que estão “suficientemente conscientes de que o desejo sexual é por sua natureza selvagem e agressivo”. As autoras garantem ainda que estão com os “olhos abertos o suficiente para não confundir uma tentativa incómoda de escolher alguém com um ataque sexual “.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt
Identidade de Género

Minorias de estimação /premium

Laurinda Alves

No dia em que as casas de banho das escolas forem obrigatoriamente abertas a rapazes e raparigas de todas as idades, as agressões vão escalar e a “pressão dos pares” poderá ser ainda mais perversa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)