O primeiro-ministro israelita pediu em 2014 a Barack Obama que convencesse o Egito a dar parte do Sinai para o futuro Estado palestiniano, e anexar a Israel boa parte da Cisjordânia, revelou esta quinta-feira o diário Haaretz.

O jornal israelita cita quatro fontes oficiais da época em Washington, que falaram sob a condição de anonimato, mas o Gabinete de Benjamin Netanyahu negou a informação, que coincide, porém, com outras publicadas nos últimos meses sobre essa possibilidade e a de ser incluída no plano de paz que a administração de Donald Trump está a preparar.

A ideia, apresentada em várias ocasiões por Netanyahu ao então Presidente Barack Obama e ao ex- secretário de Estado John Kerry, era que os Estados Unidos convencessem o Presidente do Egito, Abdel Fatah al-Sissi, a doar parte da terra no norte da península do Sinai.

Essa terra seria unida à Faixa de Gaza para compensar a perda de território na Cisjordânia, onde colonatos judaicos passariam a fazer parte de Israel, de acordo com o diário.

Contudo, Washington concluiu que nem o Cairo, nem os palestinianos estavam dispostos a aceitar essa solução, referiu o Haaretz.

Em dezembro, o jornal norte-americano New York Times publicou detalhes do plano de paz que a Casa Branca está a delinear e assinalou que a Arábia Saudita teria apresentado essa possibilidade ao Presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmud Abbas.