June Kenton, a “bra fitter” (consultora de sutiãs) da rainha de Inglaterra desde o início dos anos 80, foi despedida depois de ter escrito o livro Storm in a D-Cup (algo como “Tempestade numa Copa D”), uma autobiografia.

A marca de lingerie Righby & Peller, criada em 1939 e usada pela rainha desde 1960, perdeu a garantia real desde que June escreveu o livro, em março do ano passado, o que desagradou desde o início ao Palácio de Buckingham, revela a BBC. A garantia real é a autorização dada pela monarquia para que as marcas possam usar o selo real, que acaba por funcionar como forma de publicidade privilegiada.

Aos 82 anos, a agora ex-consultora de lingerie da rainha de Inglaterra referiu que o livro não revelava nada que pudesse preocupar ou aborrecer a família real, e que ficou triste com a decisão de a afastarem.

“Referi apenas que lá tinha ido, nunca escrevi nada sobre o que vi, fiz ou o que aconteceu. Nunca falei sobre aquilo que fazia, nem sobre a rainha, a rainha-mãe ou a princesa Margarida”, disse Kenton num comunicado a que a BBC teve acesso.

“Penso que é inacreditável. Aborrece-me agora no fim da minha vida, mas o que é que posso fazer? Não posso lutar contra o Palácio de Buckingham e não o faria, mas é difícil”, acrescentou.

À BBC, a família real disse que não fazia qualquer comentário. Já a marca de lingerie Righby & Peller disse estar “profundamente triste” com a decisão.

[dicas de June Kenton sobre a importância de usar o soutien no número certo:]

“Sempre me senti honrada toda a minha vida. É inacreditável que eles não gostem do livro. Sei que lhes devia ter mostrado primeiro, mas nunca pensei que fosse necessário”, finalizou June.

June Kenton comprou a marca de lingerie com o marido em 1982 por 20 mil libras (aproximadamente 22 mil euros), antes de vender, em 2011, parte da sua participação no negócio por 8 milhões libras (mais de 9 milhões de euros).