Incêndios

Parlamento aprova audição do Chefe do Estado-Maior da Força Aérea sobre combate aos incêndios

O parlamento aprovou um requerimento do PSD para ouvir o general Teixeira Rolo a propósito da nova missão na gestão dos meios de combate aos incêndios. A audição está prevista para março.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O parlamento aprovou um requerimento do PSD para ouvir na comissão de Defesa Nacional o Chefe do Estado-Maior da Força Aérea a propósito da nova missão na gestão dos meios de combate aos incêndios.

O requerimento foi aprovado esta sexta-feira por unanimidade na reunião daquela comissão parlamentar e a audição ficou indicativamente prevista para o mês de março.

O PSD quer esclarecimentos por parte do general Teixeira Rolo sobre o envolvimento da Força Aérea no combate aos incêndios florestais, que numa primeira fase será de centralização dos meios aéreos e, numa fase posterior, numa vertente mais operacional.

No passado dia 5, o CEMFA afirmou, em declarações à Lusa, que propôs ao Governo aumentar o efetivo em cerca de 200 novos militares, de forma gradual, para dar resposta às novas missões que foram atribuídas ao ramo, em particular no combate aos incêndios.

Na mesma altura, o general Teixeira Rolo adiantou que o número de militares incorporados em 2017 ficou abaixo dos objetivos, em particular no que respeita aos praças, o que é, disse, um “fenómeno transversal a todos os ramos”.

O recrutamento em 2017, para os regimes de voluntariado e de contrato, ficou cerca de 20 por cento abaixo do que se registou em 2016, confirmou.

Segundo o relatório de gestão de 2016, a FAP contava com 6.646 efetivos militares e civis, número que desceu para 5.952 militares em 2017.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Casas

O verdadeiro problema das casas

Rui Ramos

O corrente pânico com o preço das casas expressa esta verdade, que a nossa oligarquia se esforça por esconder: o país passa por uma prosperidade que não é para todos. 

Proteção de Dados

Erre gê pê quê?

Catarina Dornelas Pinheiro

Faltam poucos dias para a entrada em vigor do Regulamento Geral da Proteção de Dados e talvez só as grandes empresas estejam preparadas - do lado dos Ministérios só se houve um silêncio ensurdecedor.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)