Angola

Polícia angolana deteve homem que tentava entrar em Angola com 200 mil dólares

O homem detido pela polícia angolana diz ser comerciante e referiu que o dinheiro é resultado da comercialização de açúcar para uma empresa na República Democrática do Congo.

PAULO NOVAIS/EPA

A polícia angolana anunciou esta sexta-feira a detenção de um homem na posse de 200 mil dólares (165 mil euros) na fronteira norte entre Angola e a República Democrática do Congo (RDCongo), que tinha como destino Luanda.

Segundo o intendente Sebastião dos Santos, chefe do comando da unidade da polícia fronteiriça, a detenção ocorreu no posto fronteiriço do Luvo, em Mbanza Congo, capital da província angolana do Zaire. Sebastião dos Santos disse que o homem transportava o dinheiro de forma camuflada e que foi possível detetar-se os valores, com o auxílio da brigada canina.

O detido, que diz ser comerciante, referiu que o dinheiro é resultado da comercialização de açúcar para uma empresa na RDCongo, cujo pagamento foi efetuado em Kinshasa, capital daquele país vizinho de Angola.

“Estava a sair do Congo para Angola, estava a andar com uns valores um pouco elevados, fui interpelado aí na ponte. É a primeira vez, mas vendo sempre na praça do Luvo, não tinha como fazer, porque não tenho um banco para depositar o dinheiro no Congo e poder levantá-lo aqui em Angola”, disse o suspeito, em declarações à imprensa.

Angola enfrenta desde finais de 2014 uma crise financeira e económica, com a forte quebra das receitas de exportação de petróleo devido à redução da cotação internacional do barril de crude, levando ainda a uma forte quebra na entrada de divisas no país e a limitação do acesso a moeda estrangeira aos balcões dos bancos, dificultando nomeadamente as importações.

A entrada no país com valores acima de 5 mil dólares, para não residentes cambiais, e de 10 mil dólares, para residentes cambiais, obriga à sua declaração à alfândega, no posto de fronteira.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)