Guiné-Bissau

Primeiro-ministro da Guiné-Bissau apresenta pedido de demissão

O primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, pediu esta sexta-feira a demissão ao Presidente da República. Sissoco Embaló fez uma publicação no Facebook onde dá a notícia.

Umaro Sissoco Embaló. Pedido de demissão é o segundo em pouco mais de um mês

JÚLIO FONSECA/LUSA

O primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, anunciou esta sexta-feira na sua página na rede social Facebook, que apresentou o pedido de demissão do cargo ao Presidente guineense, José Mário Vaz. No texto, Embaló, de 46 anos, não especificou os motivos para o pedido de demissão, apenas referiu ter apresentado ao chefe do Estado guineense a segunda carta naquele sentido, depois de o já ter feito no passado dia 6 de dezembro.

“Agradeço vivamente ao Presidente da República, os membros do Governo, com os quais trabalhei durante 15 meses”, indicou Umaro Sissoco Embaló que afirma ser fiel aos partidos e deputados que o apoiaram. Embaló afirmou, igualmente no Facebook que, olhando pela história, em 20 anos, nunca os doadores se mostraram satisfeitos com um governo, numa referência ao desempenho da sua equipa.

Também neste dia, o jornal guineense O Democrata, na sua edição ‘online’ noticiou que o primeiro-ministro entregou ao Presidente guineense a carta de demissão do cargo, citando várias razões que teriam motivado Embaló. Segundo O Democrata, o primeiro-ministro “não digeriu bem” a posição do chefe do Estado nos incidentes com dois ministros do seu governo, João Fadiá, das Finanças, e Botche Candé, do Interior.

O jornal afirma que Umaro Embaló considerou que José Mário Vaz esteve do lado dos seus ministros. A Lusa tentou infrutiferamente confirmar o pedido de demissão com o próprio Embaló e com a Presidência da República.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Arménia

Arménios não querem “putinismo” no seu país

José Milhazes

A crise política na Arménia está longe do fim, mas já se pode tirar uma conclusão: os cidadãos desse país da Transcaucásia disseram não à rotatividade política copiada da Rússia pelos seus dirigentes.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)