Reino Unido

Reino Unido vai fechar contas bancárias de imigrantes ilegais

1.396

A secretária de Estado da Imigração afirmou que os imigrantes ilegais fazem baixar os salários dos trabalhadores legais e aumentam a pressão sobre os serviços públicos pagos pelo contribuinte.

ANDY RAIN/EPA

O Governo britânico anunciou esta quinta-feira que os bancos vão ser obrigados a encerrar as contas de imigrantes ilegais para os obrigar a sair do país e já começaram a verificar o estatuto migratório de milhões de clientes.

A secretária de Estado da Imigração, Caroline Nokes, nomeada esta semana pela primeira-ministra Theresa May, anunciou a medida e explicou que se insere no objetivo de “dificultar a permanência das pessoas que não têm direito a viver ou a trabalhar no Reino Unido”.

Nokes afirmou que os imigrantes ilegais fazem baixar os salários dos trabalhadores legais e aumentam a pressão sobre os serviços públicos pagos pelo contribuinte. Segundo a nova medida, os bancos e instituições de crédito devem comprovar o estatuto de todos os seus clientes e notificar o Ministério do Interior dos casos de imigrantes ilegais.

Uma porta-voz do Ministério assegurou que os bancos apenas transmitirão às autoridades os dados das pessoas que podem ser deportadas. As pessoas que tenham pedidos de residência pendentes ou recursos pendentes, assim como os que tenham pedido asilo, não são afetadas pela medida, segundo a porta-voz.

Para a organização de defesa dos direitos dos imigrantes Joint Council for the Welfare of Immigrants (JCWI), é previsível que sejam cometidos erros na definição do estatuto migratório, o que pode levar a que sejam erradamente encerradas centenas de contas.

“O mais chocante deste sistema é que as contas, que são necessárias para todos os aspetos da vida, podem ser encerradas sem haver processos claros de retificação da medida ou de compensações”, disse um porta-voz do JCWI.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
NATO

Os 70 anos da NATO, vistos da Europa


João Diogo Barbosa

Não só o “exército europeu” se tornou um dos temas essenciais para o futuro, como foi possível, pela primeira vez, a aprovação de um Programa Europeu de Desenvolvimento Industrial no domínio da Defesa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)